Home > Esportes > Xô preguiça! Frequência auxilia nos resultados da atividade física

Xô preguiça! Frequência auxilia nos resultados da atividade física

Crédito: Pixabay

Na hora de ir à academia, você é a pessoa que cumpre dias e horários sem pestanejar ou a que inventa desculpas e, no fim, acaba não indo? Pois saiba que a frequência nos treinos é importante para os resultados da atividade física.

O professor de educação física, Ronaldo Ângelo, explica que a assiduidade necessária depende da demanda e objetivo de cada um. “Estudos mais recentes apontam que, dependendo do que a pessoa busca, não há diferença entre treinar três ou cinco vezes na semana quando o volume total do treinamento é equiparado”.

Ele comenta como isso é medido. “Quando alguém deseja ganhar massa muscular, que é o mais comum, por exemplo, isso ocorre por meio do número de série multiplicado a quantidade de repetições de determinado exercício e ao peso que a pessoa desloca na musculação. Quando os valores são equivalentes, o ganho de massa muscular desse indivíduo é semelhante”.

O especialista acrescenta que existe uma recomendação do Colégio Americano de Medicina Esportiva que orienta que jovens adultos realizem atividade física por pelo menos 150 minutos semanais. “Esse tempo pode ser dividido em exercícios de 20 a 60 minutos de intensidade rigorosa, em três dias da semana e não visa apenas o alto rendimento, mas saúde e qualidade de vida”.

Ele ressalta que se, às vezes, por alguma limitação, a pessoa não conseguir manter esse tempo, não deve deixar de fazer. “Exercícios durante 10 minutos promovem benefícios à saúde também. O que vai acontecer é que os resultados vão demorar mais para serem alcançados. Contudo, a pessoa não deve desanimar se não conseguir ir um dia ou fizer a série toda. Vale a pena retomar a atividade sempre”.

Com base em sua experiência, Ângelo observa que qualquer tempo de exercício é melhor do que nenhum. “Se a pessoa tem cinco minutos, pratique. Inclusive, para começar, é indicado pegar leve e, com o tempo, ir progredindo. O ideal é que se busque um profissional de educação para orientar, mas se isso for um dificultador, faça exercícios leves, como a caminhada, que já faz bem para a saúde”.


Você sabia?

Dados coletados nos últimos 15 anos apontam que 47% das pessoas em idade adulta, ou seja, uma a cada duas, não praticam atividades físicas o suficiente. Entre as mulheres, a ociosidade é maior que a média, 53,3%, enquanto que a prevalência de inatividade entre os homens é de 40.4%.


Como manter o pique?

A administradora Karol Coutinho não era disciplinada nos treinos. “Faltava mais do que ia. Já cheguei a fazer um plano semestral e não usar nem metade porque o cansaço do trabalho me desanimava”. No entanto, isso mudou quando uma academia foi inaugurada ao lado de sua casa. “Como fiquei com medo de acabar desanimando novamente, convidei uma amiga para ir junto e ela topou na hora. O treino ganhou novo tom, porque a gente fica papeando e nem vê a hora passar”.

A amiga de Karol, Isabela Apoloni, nunca tinha pensado em começar a malhar. “Sabe quando você fica deixando pra depois? Mas aí a Karol me chamou, eu topei e estou amando, pois a academia me anima. Inclusive a convenci e, agora, a gente vai de manhã para a energia durar o dia todo”.

O professor de educação física elucida que a motivação é um dos aspectos mais importantes na prática da atividade. “Uns a buscam internamente, outros, externamente. Mas uma dica é a pessoa explorar as opções que a academia oferece até encontrar uma que a agrade”.

Ele acrescenta que, independente do objetivo, é preciso afinidade com a modalidade escolhida. “O treino passa a ser prazeroso. Gostando da prática, a pessoa tem maior adesão e menos vontade de parar”, conclui.