Home > Destaques > Crianças devem ser incentivadas a se exercitarem desde os primeiros anos

Crianças devem ser incentivadas a se exercitarem desde os primeiros anos

Fazer alguma atividade física traz diversos benefícios para a saúde em todas as idades. No caso das crianças, a prática de esporte é ainda mais importante e deve ser um hábito estimulado desde cedo. Isso porque contribui com o desenvolvimento físico e mental e ajuda a afastar o sedentarismo. Apesar disso, muitos pais ou responsáveis têm dúvidas sobre qual a idade indicada para começar e quais as modalidades mais recomendadas para os pequenos.

De acordo com a pediatra Talita Soares, antes de colocar a criança para fazer atividade é preciso passar por uma consulta. “Isso é importante para analisar se há alguma limitação ou problema de saúde e poder indicar qual é o melhor esporte para cada idade. Os pais devem ficar de olho no gosto dos pequenos, respeitar suas vontades e nunca os obrigar a fazer o que não gostam”, reforça.

Independentemente da modalidade esportiva escolhida, são diversas vantagens que vão ajudar no crescimento saudável. “Inclusive, os benefícios vão além da saúde. Ao se exercitar, a criança aprende desde cedo a ter uma vida mais saudável, interação social e trabalho em equipe, além de desenvolver o raciocínio, coordenação motora e capacidades físicas”.

O professor de Educação Física Matheus Pereira chama atenção que, cada vez menos, a escolha leva em consideração o sexo da criança. “Existe uma tendência natural de que meninas escolham ginástica, assim como os meninos optem pelo futebol. Mas isso vem mudando e a criançada já compartilha todos os esportes”.

Ainda segundo o professor, os pais devem conhecer os gostos dos filhos, suas capacidades e necessidades. “Precisa ser uma coisa prazerosa para a criança e não uma obrigação. Quanto menos idade, maior a chance de que o pequeno mude de esporte preferido. Isso é ótimo para que perceba do que mais gosta. Eles podem aprender qualquer prática esportiva, desde que seja priorizado o lado lúdico e não a competição”.

Matheus também salienta que as crianças não devem ser sobrecarregadas de exercícios, porque pode causar aversão à atividade física e acontecer lesões. “Modalidades competitivas podem começar somente a partir dos 9 anos. Antes disso, os pequenos ainda não estão prontos e nem têm maturidade para um torneio. Independentemente da atividade, os equipamentos de segurança corretos, para cada esporte, devem ser usados”.

Melhor esporte
De acordo com o professor de Educação Física, para as crianças de 3 a 5 anos, a melhor prática é a natação. “Ela trabalha aspectos como a coordenação, resistência, cria segurança para brincar na água e fortalece o sistema cardiorrespiratório. Nessa idade, os pequenos não devem fazer mais de 3 ou 4h de exercícios por semana”.

Já para a garotada de 5 a 7 anos, a orientação é praticar um esporte individual e um coletivo. “Nessa idade, o ideal é fazer algo em grupo como futebol, basquete, handebol, vôlei, entre outros. O individual pode ser natação, ginástica desportiva ou lutas como taekwondo, judô, karatê”. A partir dos 9 anos, podem começar a praticar o esporte que desejam, desde que passem por uma avaliação e tenha sempre a supervisão dos responsáveis”.

A auxiliar de contabilidade Emilene Gomes é mãe da pequena Maria Clara, de 5 anos. Há cerca de 3 meses, ela matriculou a filha nas aulas de natação. “No começo, Maria Clara tinha um pouco de medo de ficar perto da água, mas depois foi se soltando. O professor não forçou a atividade e tudo fluiu no tempo dela. Ela foi ganhando segurança e ver os amiguinhos na piscina também ajudou bastante. Hoje, mergulha, sabe nadar e se deixar fica o dia todo na água. Maria Clara estava com problemas respiratórios e a pediatra disse que a natação poderia ajudar e confesso que já notei melhoras. Também pretendo coloca-la para fazer outras atividades quanto estiver maior”, finaliza.

Daniel Amaro
Formado em jornalismo, Daniel tem 25 anos e possui experiência em assessoria de comunicação voltado para produção de conteúdo para web. Ama escrever sobre política, cultura, economia e saúde. É apaixonado por jornalismo investigativo e estudar inglês. É perseverante e adora desafios. Seu hobby preferido é viajar.