Home > Economia > Tradição de Natal, vendas de panetone devem injetar R$ 735 milhões no Brasil

Tradição de Natal, vendas de panetone devem injetar R$ 735 milhões no Brasil

Faltando pouco menos de 2 meses para o Natal, muitas lojas e supermercados já expõem nas prateleiras e vitrines os queridinhos das festas de fim de ano, os panetones. Para a Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (Abimapi), a expectativa é que as vendas do produto cresçam 5% na comparação com o Natal passado e alcancem faturamento de R$ 735 milhões.

Expor a iguaria antecipadamente nas gôndolas dos supermercados é uma estratégia para alavancar a aquisição. “A fabricação do panetone começa em julho, quando são feitos os produtos para exportação, que vão para mais de 50 países. Em agosto, inicia a produção nacional. A última fornada sai na primeira quinzena de dezembro”, diz a entidade.

Eles vão além do tradicional com frutas cristalizadas, sendo possível encontrar versões de chocolate, caramelo, trufado, doce de leite, entre outros sabores diferentes. Uma pesquisa realizada pela Abimapi mostrou que 20% dos lares brasileiros foram presenteados com panetone no Natal de 2018. No último ano foram vendidas 39 mil toneladas da guloseima, 2,5% a mais que em 2017.

A confeiteira Paula Rodrigues aproveita a data para produzir panetones gourmet e faturar uma renda a mais. “Compro o tradicional ou com massa de chocolate no mercado e faço a personalização do produto. Tenho vários recheios e coberturas que o cliente pode escolher. O que mais tem saída é o que eu chamo de ‘dois amores’ com chocolate branco e o de doce de leite. Os preços variam entre R$ 42 e R$ 50. Comecei a receber encomendas desde outubro e tenho expectativa de vender pelo menos 150 unidades”.

Os empresários do segmento supermercadista mineiro também estão otimistas e acreditam que o consumo no Natal deste ano deve ser melhor devido ao avanço na economia, recuperação do emprego e estabilidade dos preços. Na comparação das vendas de dezembro sobre novembro, historicamente, os resultados sempre superam os 20%, segundo levantamento feito pela Associação Mineira de Supermercados (Amis).

A baixa inflação também vai contribuir para que os supermercadistas possam praticar preços nos mesmos patamares do Natal passado. De acordo com o levantamento, os valores terão, no máximo, a reposição da inflação, que está na casa dos 2,89% em 12 meses. Os importados também não devem apresentar grande variação de preço, uma vez que a cotação do dólar está próxima do que ocorreu em 2018 – na casa dos R$ 3,70 com máxima de R$ 4,01, ante a faixa dos R$ 4 neste ano.

Favoritos
Outros produtos típicos dessa época do ano e que também são facilmente encontrados nas lojas e supermercados são vinhos e os mais variados enfeites decorativos, além de itens para a ceia como aves, lombo e pernil. Aliás, o vinho deverá ter um aumento de vendas de 7%, incluindo nacionais e importados. O peru, item tradicional, tem demanda garantida para boa parte dos supermercadistas. No entanto, a maioria acredita na estabilidade no consumo desse produto.

Outros produtos natalinos
E, nesse ano, os comerciantes vão apostar em novidades para atrair clientes e aquecer as vendas. Pelo menos é o que garante os que foram ouvidos pela nossa reportagem.

Para Luciano Carvalho, gerente de uma loja de variedades, assim que passou o Dia das Crianças foi iniciada a montagem dos produtos para o Natal. “A gente se planeja desde o início do ano para conseguir trazer bom preço e variedade para nossos clientes. O movimento é crescente e começa a alavancar na segunda quinzena de novembro. Em 2018, não sobrou nada no estoque e esse ano estamos esperando um aumento de 15% nas vendas”.

Ele informa que as árvores têm bastante procura e que, por isso, são as primeiras a esgotarem. Os preços variam de acordo com o tamanho. Uma mais simples custa cerca de R$ 19, enquanto que uma grande e decorada pode chegar a R$ 900. O segundo item preferido são os pisca-pisca. Trouxemos novidades com lâmpadas de LED e formatos diferentes como anjos, pinhas e estrelas”, comenta.

O clima natalino também está presente na loja onde a vendedora Jaqueline Santos trabalha. “Já temos procura por artigos natalinos. Alguns clientes vêm para olhar, pesquisar preços e voltam depois, enquanto outros já gostam de fazer a compra com antecedência. Estamos animados com a data e esperamos um crescimento de pelo menos 10% em comparação com o ano anterior”.

A vendedora diz que os preços não mudaram em relação a 2018. “Nós temos os itens tradicionais como árvores, laços, bolas, pisca-pisca e guirlandas que estão com os mesmos valores do ano passado, variando de R$ 7 a R$ 250. Já os artigos mais sofisticados estão um pouco mais caros, mas temos opções que cabem em todos os bolsos. Os presépios de vidro e os papais-noéis dançarinos são as novidades que chamam atenção dos clientes e custam entre R$ 130 a R$ 450”.

Daniel Amaro
Formado em jornalismo, Daniel tem 25 anos e possui experiência em assessoria de comunicação voltado para produção de conteúdo para web. Ama escrever sobre política, cultura, economia e saúde. É apaixonado por jornalismo investigativo e estudar inglês. É perseverante e adora desafios. Seu hobby preferido é viajar.