Home > Economia > Cresce em 37% as transações bancárias feitas por aplicativos

Cresce em 37% as transações bancárias feitas por aplicativos

Consultar o saldo, tirar extrato, fazer transferência, pagar boleto ou até mesmo abrir conta. Todos esses serviços bancários que antes demandavam tempo e a necessidade do consumidor se deslocar até uma agência para realizar a transação, passaram aos poucos a contar com a praticidade do mobile banking (aplicativo para celular). O serviço tem sido um dos mais utilizados pelos brasileiros, segundo dados da pesquisa de Tecnologia Bancária da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). As operações bancárias realizadas por mobile (incluindo movimentações financeiras e transações sem movimentação financeira) registraram crescimento de 37%, passando de 18,6 em 2016 para 25,6 bilhões no ano passado. A modalidade equivale a 35% das 71,8 bilhões de transações feitas em 2017.

Transações bancárias

Mobile banking 25,6 bilhões
Internet banking 15,8 bilhões
Caixa eletrônico 9,9 bilhões
Ponto de venda no comércio 9,4 bilhões
Agência bancária 5,5 bilhões
Correspondente no país 4,1 bilhões
Contact center 1,5 bilhões

Fonte: Febraban

As operações pelos smartphones ultrapassaram as feitas na internet banking, agências e terminais de autoatendimento pela primeira vez e já representam mais de um terço das transações bancárias. “No ano passado, a pesquisa mostrou, novamente, uma migração de operações, que antes eram realizadas por outros meios de atendimento, para o mobile banking”, reforça Gustavo Fosse, diretor setorial de Tecnologia e Automação Bancária da Febraban. Juntos, mobile banking e internet banking responderam por 58% do total de transações feitas no país.

RELACIONAMENTO POR MEIO DOS CANAIS DIGITAIS

Esse aumento no uso dos celulares para movimentar dinheiro virtualmente também é uma das consequências do investimento dos bancos em tecnologia da informação. Ao longo de 2017 foram R$ 19,5 bilhões investidos, representando um aumento de 5% em relação ao ano anterior. Desse total, metade foi destinada ao desenvolvimento de software, 32% ao hardware e 18% a telecomunicações. “Além da constante preocupação com a segurança, os resultados também revelam que os bancos buscam melhorar a experiência do usuário quando se trata da utilização dos canais digitais”, afirma.

Mundo digital

A contadora Janaína França relata que a maioria das suas transações são feitas de forma virtual. “Hoje em dia quase não vou ao banco. Tudo que eu preciso fazer consigo realizar pelo aplicativo e com a vantagem de poder usar a qualquer hora e lugar. Consulto meu saldo, faço pagamento e transferência. Ainda tem um recurso no aplicativo que permite fotografar o código de barras e as informações sobre a conta como valor e data de vencimento. Normalmente só vou ao banco quando preciso fazer um depósito ou resolver algum assunto mais burocrático que não pode ser feito pelas plataformas digitais”.

Dicas de segurança
Mantenha sempre o antivírus original e atualizado no computador
Nunca realize operações em equipamentos públicos, desconhecidos ou que não tenham programas antivírus atualizados
Não utilize telefone de estranhos e de origem desconhecida para efetuar transações
Evite emprestar ou perder de vista seu smartphone
Ao ter seu telefone roubado, furtado ou perdido, informe imediatamente ao seu banco
Não use redes wi-fi desconhecidas ou em locais públicos para efetuar transações bancárias
Não execute aplicações nem abra arquivos de origem desconhecida. Eles podem conter vírus ocultos que permitem a ação de fraudadores sobre sua conta
Troque periodicamente a sua senha de acesso ao banco pela internet. Crie senhas de difícil dedução
Acompanhe periodicamente os lançamentos em sua conta. Caso constate qualquer crédito ou débito irregular, entre imediatamente em contato com o banco
Nunca abra e-mails de origem ou de procedência duvidosa, mesmo que venham com o remetente do seu banco
Daniel Amaro
Formado em jornalismo, Daniel tem 25 anos e possui experiência em assessoria de comunicação voltado para produção de conteúdo para web. Ama escrever sobre política, cultura, economia e saúde. É apaixonado por jornalismo investigativo e estudar inglês. É perseverante e adora desafios. Seu hobby preferido é viajar.