Home > Esportes > Destino: Rússia – Missão: trazer o hexa

Destino: Rússia – Missão: trazer o hexa

Crédito: Mikhail Shapaev/Fotos Públicas

Engana-se quem pensa que os brasileiros não estão ligados no futebol ou na seleção brasileira. É verdade que os últimos escândalos envolvendo os nomes de dirigentes da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) deram uma abalada “na moral” que o esporte tinha com a população no geral, entretanto, o amor ultrapassa essa desconfiança. Uma prova disso é que, o último levantamento divulgado pela Fifa, mostra que o Brasil é o terceiro país que mais comprou ingressos para a Copa do Mundo (65.863), ficando atrás apenas da Rússia (796.875), que sediará os jogos, e EUA (80.161).

Um dos que estão com a passagem comprada para país do norte europeu é o publicitário Paulo Cesar Ceglia. Ele conta que a ideia de ir a Rússia surgiu durante a viagem com o seu pai, quando, na ocasião, sugeriu brincando de irem ver a Copa. “Disse para ele que seria muito interessante conhecer o país e um evento como esse deve ser bem diferente lá fora do que foi aqui”.

Ceglia vai dia 24 de junho e volta dia 14 de julho. Ele vai ver seis jogos: Dinamarca x França, Brasil x Sérvia e a sequência do Brasil (oitavas, quartas, semi e final) até a decisão, caso passe em primeiro do grupo. “Queria ir para a Rússia porque o 7×1 ainda está engasgado. Além disso, sou pé quente, pois estive na final da Copa das Confederações no Brasil, quando ganhamos de 3×0; e na decisão das Olimpíadas, quando faturamos o ouro inédito. Agora, vou em busca da minha tríplice coroa”.

Outra pessoa que vai para Rússia é o fotógrafo Tomás Arthuzzi. Ele diz que os amigos o convenceram a ir, falando que essa oportunidade era única na vida. “Ainda somos jovens e essa Copa promete ser muito legal. Na próxima, no Qatar, não acredito que seja uma experiência tão massa e nas seguintes é o medo de todo mundo estar casado, com filhos e essa viagem nunca acontecer”.

O publicitário Bruno Predolin também vai com os amigos. Ele relata que a decisão definitiva de ir para a Rússia foi apenas no mês passado. “Essa ideia surgiu em 2017, com uma turma grande. Porém, o tempo foi passando, uma galera desistiu e eu também. No mês passado, meu amigo me contou que tinha comprado e isso me estimulou. Além disso, também estou levando o meu pai comigo”.

Predolin está confiante que a taça de campeão vai ser do Brasil. “Estou achando que o hexa vem dessa vez, pois o Tite tem feito um bom trabalho à frente da seleção”, finaliza.

Como ir para a Rússia

Segundo informações da CVC, até o momento, o número de orçamentos gerados para a Rússia, com embarques no período da Copa do Mundo, praticamente triplicou desde o final de fevereiro. Para atender a quem quer ir ver os jogos, mas não se programou com antecedência, a empresa, recentemente, lançou cinco opções de pacotes, com permanência de 7 noites, que estão até 35% mais baratos em comparação aos de maior duração. Ademais, a viagem pode ser parcelada em até 10 vezes juros.

Os pacotes custam de R$ 25 mil a R$ 66 mil, ambos sem passagem aérea. Para saber mais, acesse o site.


Dicas importantes:

Voos com escalas: Não há opções de voos diretos para Moscou a partir do Brasil, então um voo longo será inevitável, com conexões na Europa ou Estados Unidos. O tempo de viagem fica entre 13h e 16h.

Visto: Brasileiros não precisam de visto para entrar na Rússia durante um período de 90 dias, sendo necessário apenas passaporte válido.

Telefonia: Assim que desembarcar no país, compre um chip de telefone russo, evitando gastos com serviço de roaming e para usar os aplicativos.

Moeda: A moeda utilizada é o Rublo Russo.

Fuso horário: A Rússia possui, no total, 11 fusos horários diferentes. Caliningrado está 5 horas à frente do Brasil; Moscou, São Petersburgo, Níjni Novgorod, Kazan, Saransk, Rostov, Sochi e Volgogrado estão 6 horas. Samara fica 7 horas adiante e Iecaterimburgo são 8 horas.

Transporte: Em Moscou, a melhor maneira de se locomover é por meio de transporte público. O metrô da capital russa é eficiente, mas é preciso jogo de cintura para entender a sinalização devido ao idioma que usa o alfabeto cirílico.

Alimentação: Aproveite para conhecer pratos típicos como a Borsh (sopa com beterraba), kotleti (bolinho de carne moída), blini (panqueca), Salada Olivier (salada russa no Brasil) e o Frango à Kiev (peito de frango desossado e recheado). Quanto às bebidas, não saia da Rússia sem provar a autêntica vodka e a cerveja báltica.

Clima: Durante os meses de junho e julho o país está em pleno verão, com máximas de 25°.

Fonte: CVC