Home > Esporte > Aulas on-line com personal trainer crescem durante a quarentena

Aulas on-line com personal trainer crescem durante a quarentena

O mundo todo passou a consumir mais conteúdos digitais por conta das medidas de isolamento social para combate à COVID-19. Diante desse quadro, alguns profissionais tiveram que se adaptar a essa nova realidade e passaram a oferecer seus serviços pela internet, como é o caso dos personal trainers. Com as academias fechadas, muitos precisaram criar novas estratégias para atrair e fidelizar clientes. Apesar disso, eles garantem que a procura por consultoria e treinos on-line tem aumentado durante a pandemia.

A profissão é a preferida por aqueles que desejam melhorar o porte físico ou manter uma vida mais saudável. Em tempos de coronavírus, no qual as pessoas não estão saindo de casa para evitar aglomerações, o serviço de personal tem sido prestado por meio das redes sociais ou aplicativos de chamada de vídeo. Embora tenha muitas facilidades, realizar atendimento virtual tem os seus prós e contras, conforme revelam os profissionais ouvidos pelo Edição do Brasil.

Trabalhando há cerca de 5 anos no ramo, o personal André Reis comenta que a maior parte dos alunos que frequentavam a academia mantiveram as aulas na modalidade on-line. Eles gostam dos meus treinos e acabam indicando para outras pessoas. Nessa época de isolamento, tenho recebido muitas mensagens pedindo informações, orçamentos e mais dicas. Inclusive, minha quantidade de seguidores aumentou bastante no último mês”.

Reis afirma que precisou se adaptar para atender a demanda. “Todo mundo está tendo que mudar sua rotina na quarentena. As pessoas têm buscado exercícios que podem ser feitos em sua própria residência. Tive que criar diversos programas de treino, seguindo os objetivos de cada aluno e utilizando objetos que eles já possuem em casa”.

Entre as vantagens do treino on-line, o personal cita que aluno e professor ficam conectados quase que o tempo todo. “A gente acompanha o andamento do treino, está ao vivo com o cliente nos dias e horários combinados, assim como faz os exercícios junto. Também tem o benefício da flexibilidade de horários. Os exercícios são feitos no tempo livre do aluno ou que for da sua vontade, com possibilidade de remarcar por algum imprevisto, mesmo se tiver em cima da hora”.

No entanto, apesar de parecer que tudo funciona perfeitamente, ele ressalta que o mercado obriga os profissionais a terem preços e serviços competitivos. “Como não tem a presença física, temos que criar mecanismos para motivar o aluno a persistir nos treinos. O valor também é mais barato que a modalidade presencial, porque não precisamos gastar com deslocamento até o aluno. O valor dos meus serviços varia conforme o tempo e a quantidade de aulas”, finaliza.

Roberta Ribeiro atua como personal há 8 anos e concorda com a opinião do colega de profissão. “O mercado é bem disputado e exige que a gente encontre maneiras para se destacar. Existem treinos de graça pela internet, mas ter um profissional para adaptar os exercícios para cada aluno é muito melhor. Além disso, a gente pode acompanhar a evolução e tirar dúvidas que podem surgir durante a execução das atividades”, relata.

Ela diz que cada personal tem o seu método próprio de atuação. “Tem alguns que já tem uma tabela pronta de exercícios e apenas compartilha com o aluno. Eu gosto de entender o que desejam com os treinos para montar um planejamento individualizado. Nesse documento coloco todos os detalhes de grupos musculares que devem ser trabalhados em cada dia da semana, tempo de intervalo e sugestão de carga”.

A profissional conta que, frequentemente, faz lives (vídeos ao vivo) na sua rede social e da academia onde trabalha, com dicas de exercícios, além de disponibilizar conteúdos gratuitos. “Tenho sido muito procurada nesse período de quarentena. As postagens são ótimas para a gente mostrar o nosso trabalho e quem sabe conquistar novos alunos. Por outro lado, também estou colaborando para que as pessoas fiquem em casa e se mantenham ativas”.

Ainda segundo Roberta, com as academias de portas fechadas, os exercícios são adaptados para serem feitos com objetos que a pessoa possui em casa. “Uso pacotes de arroz, feijão, açúcar, latas em geral, para substituir os tradicionais halteres. Por não ter o contato físico, algumas orientações e exercícios são mais difíceis. Sempre alerto sobre a importância de se hidratar e a postura correta durante o treino. O preço das minhas aulas é variável e também trabalho com pacotes e grupo de pessoas”, conclui.

Treinando à distância

A esteticista Larissa Rodrigues era frequentadora assídua de academia e tinha o seu personal. “Com essa crise de coronavírus e a gente sem poder sair de casa, não queria parar minha rotina de exercícios. Continuei tendo meu acompanhamento de forma on-line. A única diferença que vejo é não ter a presença física, aquele calor humano e a energia do ambiente da academia”, diz.

Ela conta que já tinha uma planilha de treinos, só foi preciso fazer algumas adaptações. “Em casa, por exemplo, não tem esteira e bicicleta que são os equipamentos que eu usava para treinos de cardio. A parte de musculação é outra que precisou passar por alterações, mas o personal está sempre conversando comigo e me dando todas as instruções necessárias. Ele é ótimo, inclusive, o indiquei para uma amiga que também está adorando o atendimento”, finaliza.

Daniel Amaro
Formado em jornalismo, Daniel tem 25 anos e possui experiência em assessoria de comunicação voltado para produção de conteúdo para web. Ama escrever sobre política, cultura, economia e saúde. É apaixonado por jornalismo investigativo e estudar inglês. É perseverante e adora desafios. Seu hobby preferido é viajar.