Home > Antônio Balbino > Vetor Norte – Local ideal para o “Vale do Silício Mineiro”

Vetor Norte – Local ideal para o “Vale do Silício Mineiro”

Crédito: Reprodução/internet

1 – Sinopse – Entende-se, entre outros, que a melhor localização logística para o “Vale do Silício Mineiro” é na região do Vetor Norte! Sem dúvida que lugar, foi e constitui uma ideia vitoriosa. O sucesso desse macro projeto está intimamente ligado ao funcionamento do Aeroporto Internacional Tancredo Neves. Com as recentes reformas em suas dependências, o mesmo aeroporto tornou-se o “top” do “top”! No dia 25 de outubro o Ministério dos Transportes publicou a portaria 911, liberando o Aeroporto da Pampulha para grandes voos. Com essa medida, o Aeroporto de Confins, perde parte de seus voos, ficando seriamente prejudicado no  funcionamento de seu todo. Por outro lado, essa inusitada expansão do Aeroporto da Pampulha, causa temor na população local, tendo em vista, possibilidades óbvias de acidentes, com consequências desastrosas! Assim, as Associações de bairros da região, a BH Aiport, a AV Norte e outros já ingressaram com 4 (quatro) ações judiciais públicas na Justiça Federal de Belo Horizonte (Jornal O Tempo – 14/12/2017). O fato é que não houve as devidas análises para essa decisão e nem tampouco, uma consulta prévia pública aos respectivos moradores, associações etc. Com a mencionada medida tomada “de cima para baixo” e a constatação do perigo eminente de acidente, os moradores da região estão se mobilizando.

2 – Vetor Norte/Crescimento – Como indicador de desenvolvimento econômico da região metropolitana, o Vetor Norte cresce em ritmo acelerado, fortalecendo a “musculatura” dos municípios envolvidos. Esse processo teve seu inicio em 2005, com a transferência de voos do Aeroporto da Pampulha, para o Aeroporto Internacional de Confins, bem como o desenvolvimento dos seguintes projetos de obras públicas: 1) Projeto Linha Verde, ligando a Capital, ao Aeroporto de Confins; 2) Projeto Construção da Cidade Administrativa; 3) Projeto Construção do CTCA-Centro de Tecnologia e Capacitação Aeroespacial de MG; 4) Projeto Expansão do Aeroporto de Confins. Essa reativação do Aeroporto da Pampulha prejudica substancialmente o desenvolvimento econômico do Vetor Norte, sendo que Confins já começou a sofrer os primeiros impactos, pois entre outros, o BNDS já manifestou a intenção de  negar o financiamento de $R507 milhões já acertados e, por outro lado, também aparecem sinais de aumento da taxa de desemprego na região.

3 – Corredor de oportunidades – I – A posição geográfica do Vetor Norte, fortalece as relações com empresas de logística,  órgãos públicos, outros setores e principalmente as dos serviços aéreos. Por exemplo: a centralização da manutenção da Gol esta gerando, aproximadamente, 1200 empregos diretos! II – Aflora-se também um acelerado crescimento do mercado imobiliário! III – A implementação de “políticas de incentivos” deverão atrair empresas avançadas de tecnologia, tendo em vista o novo setor aeroespacial! IV – Não se pode perder de vista, as chamadas empresas da “ciência da vida”, como nanotecnologia, biotecnologia, equipamentos médicos, softwares etc.

4 – Vale do Silício Mineiro – Sabe-se que a região metropolitana de BH carece de um polo avançado de “Tecnologia e Inovação”, o que seria em termos análogos, o Vale do Silício Mineiro. Profissionais do setor “quebram a cabeça” na busca de uma solução logística adequada. Entre outras, existem muitas ideias. Acredita-se que, a região do Vetor Norte seria uma ótima solução, pois além de ser perto de Belo Horizonte, também, estaria próximo ao aeroporto internacional, o que é importante, em nível estratégico. Com isto, pode-se dizer que, o “cavalinho arreado” esta passando para os dirigentes municipais de Vespasiano, Pedro Leopoldo e Lagoa Santa! Basta “ter vontade” e elaborar um eficaz “Planejamento de Incentivos”.

5Projeto Lagoa Santa Park-Tec. – Excelente projeto, que teve ótima receptividade de órgãos do governo estadual e considerável interesse de empresários de tecnologia e inovação, mas a ideia não obteve o êxito desejável, por parte de dirigentes do município.

6 – Conclusão – Infelizmente, o citado município não teve visão consistente, para assumir essa oportunidade rara de sediar o tão sonhado polo Vale do Silício Mineiro!