Home > Colunas > Quem sabe, sabe

Quem sabe, sabe

Na foto: Miguel Safar, diretor-presidente da Construtora Concreto, com o advogado Vicente Amorim

CANAL ABERTO

Criação de MEI no Brasil em ritmo de crescimento. O volume de registro como Microempreendedor Individual (MEI) continua acelerado no país, mesmo diante das dificuldades impostas pela pandemia. Somente em 2020, foram registrados 2,6 milhões de novos MEIs. De acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o número é o maior registrado nos últimos 5 anos. O Brasil já conta com mais de 11,3 milhões de MEIs ativos. Os segmentos de comércio varejista de vestuário e acessórios, promoção de vendas, cabeleireiros, manicure e pedicure e fornecimento de alimentos para consumo domiciliar lideram o ranking de atividades. Entretanto, o maior crescimento está nas áreas de transportes e restaurantes e similares. Sempre que há uma recessão econômica, é comum que os brasileiros recorram ao empreendedorismo por necessidade como alternativa de ocupação e renda.

Comitê anticovid criado por Bolsonaro é uma farsa. Após um ano desde o surgimento do novo coronavírus no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro anunciou a criação de um comitê anticovid para adotar medidas de combate à pandemia. Só participaram dessa reunião os aliados políticos. Apesar de ter se mostrado mais aberto a estimular a vacinação em massa, Bolsonaro voltou ao seu velho estilo de ser contra a ciência e os protocolos médicos contra a COVID-19. Na verdade, esse comitê é para inglês ver, porque a impressão que se tem é que quem participou do encontro não está preocupado com o povo brasileiro, mas com o futuro político em 2022 que está seriamente ameaçado por tudo que fizeram de errado até hoje. Que a população brasileira não se iluda com esse presidente que mente muito quando fala sobre a pandemia.

Comemorar gol com tapa na cabeça é perigoso. Todos nós sabemos que o futebol é o esporte mais popular do mundo e uma das maiores paixões nacionais. No entanto, em meio à explosão dos torcedores nos gols do seu time, uma cena negativa que está chamando a atenção é a comemoração dos jogadores em campo. Está virando um hábito, principalmente no futebol brasileiro, uma sequência de tapas na cabeça quando um jogador faz um gol. Acontece que a cabeça é um órgão delicado e extremamente importante para o funcionamento do nosso organismo. E uma pancada ou um tapa, mesmo que seja leve, pode ocasionar uma lesão e deixar graves sequelas. É bonita a comemoração de uma vitória, mas que seja de outras formas que não coloquem em risco a saúde de algum atleta.

TRABALHADORES DE SUPERMERCADOS SÃO PREJUDICADOS

Atualmente estamos vivendo a situação mais grave desde o início da pandemia do coronavírus e o número de mortes aumenta a cada dia. Em função disso, o governo de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), decretou o toque de recolher, entre às 20h e 5h, para tentar conter a disseminação da COVID-19. No entanto, essa medida está afetando os trabalhadores das redes de supermercados que, geralmente, encerram o seu expediente exatamente às 20h. Como a maioria usa o transporte coletivo, acaba sendo prejudicada porque chegam muito tarde em casa. A decisão mais sensata seria fechar os supermercados às 18h, porque nesse horário todas as redes já estão praticamente vazias. Também poderia se encerrar as atividades aos domingos para o descanso dos funcionários, já que o setor só teve lucros e suas atividades nunca foram paralisadas.

PARALISAÇÃO DO FUTEBOL EM MINAS GERAIS

Com o aumento acelerado de casos de COVID-19 em todo o país e em Minas Gerais, o governador mineiro decidiu paralisar também as competições esportivas. Romeu Zema já tinha decretado a onda roxa – restrições mais pesadas para circulação de pessoas e funcionamento de empresas – para todas as regiões do estado. Na oportunidade, o secretário de Saúde de Minas Gerais, Fábio Baccheretti, falou sobre a realização de partidas de futebol em solo mineiro, que receberia, inclusive, jogos de competições de outras praças. No entanto, todos os compromissos foram cancelados. Foi uma decisão correta, já que não seria justo tomar medidas rigorosas e permitir que jogos de outros estados acontecessem aqui. Vale lembrar que, na onda roxa, os hotéis não podem receber turistas.

FINALMENTE O PAÍS TEM UM NOVO MINISTRO DA SAÚDE

Estamos na maior crise sanitária do século e o Ministério da Saúde ficou muitos dias sem comando, numa demonstração de incompetência e despreparo do governo Bolsonaro, além do descaso com a população brasileira. No dia 23 de março, o novo ministro Marcelo Queiroga assumiu a pasta em meio ao agravamento da pandemia. Importante dizer que a data para a posse foi alterada diversas vezes e a razão da demora é porque o governo estaria buscando um lugar para colocar o ex-ministro Eduardo Pazuello e manter o foro privilegiado, já que há pelo menos quatro investigações em curso no Ministério Público Federal (MPF) sobre a atuação desastrosa dele no combate à COVID-19. Vale lembrar que, a qualquer momento, a Justiça poderá decretar a sua prisão, o que afetará ainda mais a imagem do presidente, que está com uma popularidade baixíssima há muito tempo.

O conteúdo desta coluna é de responsabilidade exclusiva do seu autor