Home > Colunas > Quem sabe, sabe

Quem sabe, sabe

Na foto: O deputado Arlen Santiago (PTB) com o presidente do Senado Rodrigo Pacheco (DEM)

CANAL ABERTO

Técnica de enfermagem finge ter vacinado idosa. A vacinação contra a COVID-19 mal começou no Brasil e já foram registradas muitas denúncias de irregularidades tais como, pessoas sendo vacinadas sem direito e furto e desvio de doses nos órgãos de saúde. Mais um caso causou revolta na cidade de Maceió (AL). Uma técnica de enfermagem foi afastada após ter simulado que aplicou a vacina em uma idosa de 97 anos. Um vídeo feito pela cuidadora mostrou que a técnica prepara o local da injeção, passando um algodão, depois injeta a agulha e não aperta o êmbolo, deixando todo o líquido dentro do cilindro. Ao verem as imagens, os familiares da vítima procuraram os responsáveis pela campanha de vacinação e, constatada a fraude, outra profissional de saúde fez a aplicação corretamente. Tem que punir com rigor essa servidora, se possível com a cassação de registro profissional, pois ela pode ter feito o mesmo com outras pessoas. Que sirva de alerta quando as pessoas forem vacinar.

Brasil teve saldo na abertura de empresas em 2020. A boa notícia para o setor econômico é que o Brasil teve um saldo de 2,3 milhões de empresas abertas em 2020, segundo o Ministério da Economia. Enquanto 1 milhão de empreendimentos foram fechados, outros 3,3 milhões iniciaram as atividades no ano passado. Essa foi a maior criação de empresas da série histórica, iniciada em 2010. Esse dado positivo foi atingido mesmo na pandemia, quando o fluxo de pessoas, comércio e serviços ficou restrito. O país possuía, até janeiro de 2021, 20,84 milhões de empresas ativas. De acordo com o Ministério da Economia, está mais fácil abrir uma empresa no país. O tempo médio de criação passou para 2 dias e 13 horas em dezembro de 2020. São Paulo é o estado com mais empresas ativas, com 5,6 milhões de empreendimentos. Seguido de Minas Gerais (2,1 milhões) e Rio de Janeiro (1,9 milhão).

Operação para combater “gatos” de água e luz. As ligações clandestinas de luz e água, mais conhecidas como “gatos”, é um velho hábito praticado por algumas pessoas e prejudicam toda a sociedade. Eles sobrecarregam a rede elétrica e comprometem a qualidade da energia que chega às residências das pessoas. Essas ligações oferecem riscos à população, uma vez que aumentam a chance de ocorrência de curto-circuito e incêndios. Na semana passada, uma operação conjunta entre a Cemig e alguns órgãos públicos foi realizada em Ribeirão das Neves para combater esse ato ilegal. Segundo informações, cerca de 70% da água enviada à cidade era “perdida”. As pessoas que pagam suas contas corretamente precisam denunciar essa prática abusiva porque estão sendo lesadas. A pena de prisão para o furto, seja de água ou de luz, pode variar de um a cinco anos. Essas operações serão intensificadas a partir de agora.

CLIENTES SÃO MALTRATADOS EM BANCOS

Durante a pandemia, permanece o mau atendimento dos grandes bancos: Bradesco, Itaú, Santander, Caixa Econômica e Banco do Brasil. Essa nota relata uma experiência vivida pelo colunista que exemplifica o nível de descaso com o cliente. A maioria das agências bancárias não estão funcionando e, recentemente, quando entrei para fazer um depósito num dos bancos citados acima, o funcionário disse que o sistema estava fora do ar e que era para eu ir a outra agência que estava funcionando. Ora, se o sistema está fora do ar, não vai funcionar em nenhuma outra. Isso mostra que a culpa não é dos bancos, e sim dos funcionários que são preguiçosos e tratam os clientes com desprezo. Preferi o silêncio ao invés de um bate-boca e estragar o meu dia. Se não lutarmos pelos nossos direitos seremos sempre vítimas dessa situação repugnante.

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

Os números de feminicídio aumentam a cada ano em nosso país, que lidera o ranking mundial de mortes contra mulheres. Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), no Brasil, 15 mulheres são assassinadas por dia e os agressores, em sua grande maioria, são os seus próprios parceiros, familiares ou pessoas do convívio. É preciso colocar esses homens na cadeia e fazer com que cumpram penas rigorosas, sem direito às saídas temporárias, o que causa um sentimento de impunidade. A violência contra as mulheres é uma grande covardia e um problema grave que deve ser combatido por toda a sociedade, já que a omissão só aumenta as estatísticas.

AUMENTA O NÚMERO DE ARMAS NAS MÃOS DE CIVIS

Uma notícia que preocupa a segurança pública e a sociedade brasileira em geral. O Brasil tem 1,150 milhão de armas legais nas mãos de cidadãos civis. Em dezembro de 2018, pouco antes de Jair Bolsonaro assumir a presidência do país, eram 697 mil. O levantamento é resultado de uma parceria dos Institutos Igarapé e Sou da Paz com o jornal O Globo. Na prática, há dois caminhos para se obter uma arma no Brasil: pela Polícia Federal ou pelo Exército. Para o certificado de posse, em ambos os órgãos, é exigido que a pessoa tenha mais de 25 anos, passe por exames psicotécnicos, escrito e de tiro e não tenha antecedentes criminais. Desde que Bolsonaro assumiu, deputados e senadores já apresentaram mais de 70 projetos de decreto legislativo na tentativa de impedir o avanço armamentista e boa parte sem sucesso. O assunto merece uma discussão mais ampla em todos os setores da sociedade.

O conteúdo desta coluna é de responsabilidade exclusiva do seu autor