Home > Colunas > Quem sabe, sabe

Quem sabe, sabe

Na foto: Fabiano Cazeca (PROS) com o governador Romeu Zema (Novo)

CANAL ABERTO

Contra a COVID-19. Uma vacina de aplicação nasal contra COVID-19, que está sendo desenvolvida na Universidade de São Paulo (USP), deve entrar na fase de testes clínicos (com humanos) entre janeiro e fevereiro de 2021. A vacina nasal pode ajudar a bloquear o vírus na “porta de entrada”, o que não acontece com os imunizantes tradicionais. Segundo o pesquisador da USP, Marco Antônio Stephano, o grande problema é que as vacinas atuais são injetadas, então são responsáveis por evitar apenas a forma mais grave da doença e não interferem, por exemplo, no processo infeccioso. Ou seja, não impedem a entrada do vírus no momento da infecção. Já o imunizante por spray nasal, além de levar a produção de anticorpos na circulação sanguínea, também produz antígenos nas mucosas – oral e nasal – onde o vírus penetra. Uma boa notícia porque somente com uma vacina é que a população mundial poderá ficar um pouco mais segura, mas não quer dizer que resolverá todo o problema. Todas as pessoas terão que continuar seguindo os cuidados de prevenção, pois o vírus não escolhe quem vai contaminar. Fonte: Agência Brasil

Ex-jogadores são péssimos comentaristas de futebol. A TV aberta hoje é comprometida com direitos de transmissão e ninguém tem opinião própria nos jogos de futebol e nos programas esportivos. É somente para defender interesses. Exemplo disso são os ex-jogadores comentaristas que não podem falar com liberdade. Esse é o caso do ex-lateral Júnior, que jogou no Flamengo, mas tem pouca habilidade para comentar sobre as partidas. Ele não questiona se o jogador está indo mal e tem que ser substituído, se o técnico está ultrapassado ou se a convocação faltou determinado nome. E ainda tem narradores que o chamam de maestro. Ele foi maestro de alguma orquestra ou banda? Vários ex-atletas comentam futebol sem contestar absolutamente nada, estão ricos e ainda ocupam o lugar de jornalistas sem ter noção do que é ser um jornalista. O que não faltam são exemplos: Caio Ribeiro, Neto, Edmundo, Casagrande, Vampeta, etc. É muito amadorismo e falta de respeito com o telespectador que não tem mais paciência com esses pseudocomentaristas.

PREÇO DA CARNE DISPARA EM BH

Comer carne nas refeições e fazer o tradicional churrasco nos fins de semana está cada vez mais difícil para a população belo- -horizontina. Uma pesquisa feita pelo site Mercado Mineiro constatou um aumento superior de 30% no valor médio de determinados cortes e valores que chegam a uma variação de 170% na Grande BH. A alta vem sendo observada nos últimos 3 meses. O corte que teve o maior reajuste no valor médio foi a pá, que subiu de R$ 12,60 para R$ 16,84, representando um reajuste de 33% no período. Em relação ao frango, o maior índice de elevação foi verificado no quilo da asa resfriada, que subiu de R$ 14 para R$ 17,56, representando um salto de 25%.

SELEÇÃO DE FUTEBOL GANHA COM “APITO AMIGO”

A gente não sabe quem ajudou mais a seleção brasileira de futebol a ganhar do Peru: os peruanos ou o árbitro chileno que apitou a partida. O Brasil esteve duas vezes atrás no placar, mas, virou o jogo e fez 4 a 2, em Lima. Resultado mentiroso! Conseguiu a vitória de um jeito feio e sem brilho, além de um pênalti marcado pelo “apito amigo”. Será que apenas a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) não perceba que o Tite é um técnico ultrapassado e sem um esquema de jogo que possa passar credibilidade ao torcedor brasileiro? Com esse futebol, a equipe vai sofrer para conseguir uma vaga para a Copa do Mundo.

CAI O NÚMERO DE CONTRIBUIÇÕES DO INSS

O mercado de trabalho brasileiro se encontra em lados opostos. Apesar de ter alcançado no último ano um número recorde de empregados ativos, a grande maioria dessas pessoas não possuem nenhum direito trabalhista assegurado pelo INSS. Para se ter uma ideia, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a quantidade de trabalhadores ocupados contribuindo para a Previdência Social caiu em quase 60% em pouco mais de um ano. É a menor porcentagem desde 2012. Outro dado preocupante é de que cerca de 40 milhões de profissionais atuam na informalidade, isto é, sem nenhum direito do INSS e CLT. Inclui-se aí os empregados do setor privado sem a carteira assinada, trabalhadores domésticos, autônomos e empregadores sem o CNPJ. A consequência gerada pelo aumento da informalidade é a desigualdade salarial.

O conteúdo desta coluna é de responsabilidade exclusiva do seu autor