Home > Colunas > Quem sabe, sabe

Quem sabe, sabe

Na foto: Deputado Antonio Carlos Arantes, vice-presidente da Assembleia, tem realizado um excelente trabalho nos bastidores da Casa Legislativa

CANAL ABERTO

Produtos nocivos à saúde devem pagar mais impostos. Para quem não sabe o Brasil é um dos países com maior quantidade de impostos do mundo. Parece que a tão esperada reforma tributária finalmente sairá do papel, pelo menos as discussões estão sendo mais intensas no Ministério da Economia e no Congresso Nacional. Diante disso, o governo está pensando em aumentar a taxa de contribuição, por exemplo, dos cigarros e bebidas artificialmente adoçadas com açúcares ou outros compostos, caso dos refrigerantes, sucos de caixinha, energéticos e achocolatados. Esses dois produtos, além de prejudiciais à saúde das pessoas, pagam impostos baixos que não cobrem os gastos do setor público com os tratamentos das doenças que surgem com o consumo excessivo. Então nada mais justo do que aumentar a carga tributária desses artigos que sobrecarregam o sistema de saúde e prejudicam a economia brasileira.

Desativação do Aeroporto Carlos Prates. O aeroporto Carlos Prates, na região Noroeste de Belo Horizonte, será desativado até dezembro de 2021. O imóvel de propriedade da União terá sua destinação a cargo da Secretaria de Patrimônio da União (SPU). O local iniciou suas atividades em 1944 e é um dos principais apoios à aviação executiva, tendo sua ação voltada especialmente para a formação de pilotos, aviação desportiva e de pequeno porte, instrução e manutenção de aeronaves de asa fixa (aviões) e rotativa (helicópteros). Desde 2008, mais de 10 acidentes foram registrados no terminal. Um dos mais graves, foi em outubro do ano passado, quando um avião de pequeno porte decolou do aeroporto, caiu no bairro Caiçara, matou 4 pessoas e incendiou 3 carros. A desativação é uma vitória para os moradores dos bairros em seu entorno que conviveram durante anos com os incidentes.

BARES E RESTAURANTES VOLTAM ÀS ATIVIDADES EM BH

Mais de 3 mil bares e restaurantes devem reabrir as portas à noite, com atendimento ao público e venda de bebida alcoólica a partir do decreto autorizado pela Prefeitura de Belo Horizonte há alguns dias. A volta das atividades presenciais está animando os empresários, mas a maioria olha com cautela esse retorno porque muitos consumidores ainda estarão receosos de frequentar esses ambientes em função da pandemia. No entanto, quem gosta de frequentar esses estabelecimentos pode ficar tranquilo que todos os protocolos sanitários para dar total segurança aos clientes serão seguidos. Dentre eles, estão a redução da capacidade, cardápios novos e de fácil higienização, disponibilização de álcool em gel, áreas mais ventiladas e a exigência do uso obrigatório da máscara.

E-COMMERCE FATURA ALTO NO PRIMEIRO SEMESTRE

Durante a pandemia da COVID-19, o comércio eletrônico no Brasil cresceu muito, alcançando um faturamento superior a R$ 38 bilhões no primeiro semestre. A cifra se deve a um crescimento do volume de pedidos muito acima do mesmo período de 2019. É o maior aumento registrado em 20 anos. Os dados foram divulgados pela Ebit, empresa especializada em pesquisas sobre varejo on-line. Os setores de construção e informática dobraram seus faturamentos entre janeiro e junho deste ano.

GOVERNO REPASSOU BILHÕES PARA COMBATE À COVID-19

Desde o início da crise sanitária, o governo federal já repassou cerca de R$ 43 bilhões para mais de 5.500 municípios. A cidade de Belo Horizonte foi uma das mais beneficiadas. O objetivo é fortalecer o atendimento em postos de saúde administrados pelas prefeituras. O valor equivale a um terço de todo o orçamento previsto para a área no país em 2020 (R$ 125 bilhões). Essa ajuda foi definida por meio de medidas provisórias aprovadas pelo Congresso e acabou por favorecer os partidos que tiveram melhor desempenho nas eleições de 2016, com mais prefeitos eleitos. As capitais do país lideraram o ranking de recebimento de verbas emergenciais, sendo São Paulo (R$ 1,7 bilhão), Rio de Janeiro (R$ 821 milhões), Belo Horizonte (R$ 667 milhões) as que ocupam os primeiros lugares da lista.

O conteúdo desta coluna é de responsabilidade exclusiva do seu autor