Home > Destaques > Descubra quais são os 4 tipos de olheiras e como tratá-las

Descubra quais são os 4 tipos de olheiras e como tratá-las

Crédito: freepik

Os olhos são uma das partes mais importantes para a expressão facial e os cuidados com a região devem ser frequentes, pois é um local delicado e a pele é mais fina e sensível. Um dos males que mais afeta o contorno do olhar é a olheira que atinge, principalmente, as mulheres, tanto em algumas fases do ciclo menstrual, quanto durante a menopausa.

O oftalmologista, especialista em oculoplástica, André Borba diz que existem basicamente 4 tipos de olheiras, as hereditárias, alérgicas, tensão pré-menstrual e privação de sono. “Para quem tem predisposição genética, é comum que as olheiras apareçam após os 30 anos, pois com o envelhecimento, há mudança na pigmentação da pele. Para as pessoas com alergia respiratória, o processo de arroxeamento também tende a ser grande, pois essa condição dificulta a drenagem dos líquidos, causando uma coloração arroxeada na região ocular. Já no período menstrual, o processo é parecido com o de quem tem alergia, já que as mulheres costumam reter líquidos, inclusive na região dos olhos”.

Borba acrescenta ainda que a privação de sono é a grande vilã para o aparecimento desse mal. “A falta de sono ou uma noite mal dormida costuma fazer com que as olheiras se manifestem até em pessoas que não têm predisposição a tê-las”.

Apesar de não afetar a saúde de uma maneira direta, esse arroxeamento pode causar danos para a autoestima. “Existem pessoas que aparecem aqui no consultório e me contam que estão há anos sem tirar uma foto, pois não gostam de como suas olheiras se destacam. Por ser algo no rosto, fica difícil disfarçar e afeta diretamente na maneira como elas irão se portar em público”.

Uma das pessoas que ficava incomodada com as olheiras era a consultora de vendas Aline Alves, 35. Ela conta que desde adolescente sofria com esse problema. “Quando vejo as fotos da minha festa de 15 anos fico com vontade de chorar. Estava menstruada no dia e, por isso, as olheiras estavam piores. Naquela época, as maquiagens não eram como hoje em dia e dá para notar o roxo abaixo dos meus olhos”.

Outro momento que ficou marcado negativamente na vida de Aline foi a sessão de fotos de formatura. “Dois dias antes, fiz vários tratamentos caseiros que diminuíram as olheiras, porém, na noite antes do ensaio fotográfico, a minha mãe passou mal e tive que ficar com ela no hospital. No outro dia, estava parecendo uma vampira”, brinca.

A consultora conta que já tentou usar vários cremes no local, mas só com peeling químico é que conseguiu um resultado satisfatório. “Comecei esse tratamento no início do ano passado e o faço a cada 3 meses. Não é um procedimento barato, todavia foi ele que resolveu o meu problema”.

Tratamentos 

O oftalmologista diz que o tratamento para a olheira é feito de acordo com cada paciente. “É importante esclarecer que a análise da intervenção é feita individualmente e em consultório. Cada pessoa, cada tipo de pele e causa tem um tratamento único e específico”, esclarece.

Entretanto, Borba elucida que o melhor a se fazer é prevenir o aparecimento das olheiras, que pode ser feito com medidas simples, como melhorar a qualidade do sono, evitar a exposição excessiva ao sol, diminuir o consumo de álcool e cigarro, reduzir o estresse e repor nutrientes necessários ao organismo com uma boa dieta alimentar. “Sugiro que cada pessoa procure se conhecer melhor e, para qualquer mal, o ideal é a prevenção. Uma pessoa com 30 anos e que não se cuida pode ter consequências quando chegar aos 50”, finaliza.