Home > Economia > 77% acreditam que viajar é a melhor forma de aproveitar a aposentadoria

77% acreditam que viajar é a melhor forma de aproveitar a aposentadoria

Crédito: shutterstock

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), entre 2012 e 2018, a população idosa cresceu 26% em todo o país e, em Minas Gerais, ela representa 13% do total de habitantes. Por viverem mais, as pessoas também querem aproveitar a vida e tudo indica que a melhor forma de fazer isso é viajando. Segundo o levantamento anual do Booking.com, no qual apresenta tendências para o setor de turismo, 77% dos brasileiros acima de 65 anos acreditam que viajar será a melhor forma de aproveitar o tempo livre após a aposentadoria.

Luiz Cegato, gerente de Comunicação da Booking.com para a América Latina, diz que a indústria de viagens está crescendo de forma constante e o Brasil tem uma demanda progressiva de turismo por parte de viajantes domésticos, bem como de hóspedes internacionais que procuram acomodação no país. “Com a aposentadoria se deslocando de uma idade específica, a ideia de não abandonar totalmente o mercado de trabalho e o aumento do número de pessoas que diz estar se planejando para se aposentar mais cedo vemos a aposentadoria se tornar sinônimo de ‘planejamento de viagens de aventura’”.

A pesquisa mostra também que quase dois terços (65%) pretendem se aventurar mais em suas escolhas de viagem quando se aposentarem e 29% daqueles que já se aposentaram estão planejando um ano sabático (reservando tempo para viajar por meses sem interrupções). “De modo geral, vemos que a busca por experiências autênticas tem crescido significativamente”.

Sobre o orçamento. Cegato acrescenta que o valor varia de acordo com diferentes fatores, mas o importante em qualquer viagem, seja doméstica ou internacional, é fazer um bom planejamento, ter em mente o tipo de passeio que irá fazer e, consequentemente, o estilo de hospedagem. “Essa organização depende do perfil de cada viajante, se ele viaja só ou em família, se há crianças, se a viagem ao exterior é para um país vizinho ou para um outro continente. Além disso, no caso de uma viagem internacional, uma dica fundamental é ficar de olho na cotação da moeda do país, de modo a organizar todos os gastos, da alimentação ao transporte, passando pelas compras e, claro, hospedagem”.

Oportunidade de negócio 

Em Minas Gerais, o Observatório do Turismo captou o interesse dos turistas por mais contato com a natureza. Segundo a pesquisa “Demanda Turística de Minas Gerais 2017”, 35,7% dos entrevistados disseram que o principal motivo para viajarem foi a busca por paisagens, cachoeiras e parques naturais. Ao todo, 2 em cada 10 pessoas ouvidas eram aposentadas.

A analista de turismo da Fecomércio MG, Milena Soares, diz que esse segmento pode ser bom para investimentos. “Quem está prestando esse tipo de serviço precisa estar preparado para atender esse público, pois os idosos demandam um tratamento diferenciado, afinal são mais exigentes; querem um cuidado maior, seja na questão da acessibilidade ou alimentar; e tem necessidade de se conectar e conhecer melhor onde estão visitando”.

Milena afirma que é preciso pensar na questão da segurança, especialmente se quiser agradar aos aposentados. “A segurança é algo essencial para qualquer viagem, mas se tratando de idosos ela é ainda mais importante. Isso acontece porque eles tendem a viajar acompanhados por pessoas da família e esse fator pode ser um diferencial para escolher determinado local em relação ao outro”.

O levantamento da Booking.com reitera o posicionamento da especialista: cada vez mais, os avós farão suas viagens acompanhados pelos netos, deixando os filhos para trás. 8 em cada 10 (81%) concordam que se sentem rejuvenescidos ao passar um tempo com os netos e 70% deles acreditam que os pais precisam, de vez em quando, tirar uma folga dos filhos.

E, para finalizar, Milena diz que as empresas que se prepararam melhor para atender aos anseios do turista na terceira idade sairão na frente. “A população tem envelhecido com mais longevidade e saúde. Isso faz o idoso querer viver novas experiências, seja sozinho ou em grupo. Em Minas, temos muitas opções de roteiro, que vão desde o turismo histórico e gastronômico até ao de aventura. O que o empresário do setor precisa é se planejar para captar esse mercado em ascensão, investindo na qualidade da experiência e em serviços para este público”.