Home > Destaques > “Como fazer as pessoas gostarem de mim?” foi uma das perguntas mais pesquisadas na internet em 2019

“Como fazer as pessoas gostarem de mim?” foi uma das perguntas mais pesquisadas na internet em 2019

É fato que a internet facilita muito nossa vida cotidiana, afinal, por meio dela, é possível aprender a fazer uma receita, estudar, se informar sobre o que acontece no Brasil e no mundo, etc. E, na última semana, o Google, principal site de buscas, publicou um relatório com as principais pesquisas feitas pelos brasileiros. A divulgação apontou que, por aqui, as pessoas procuraram se atualizar, principalmente, a respeito de política, redes sociais e famosos.

No entanto, foi na lista do “Como fazer” que o relatório chamou bastante atenção. Em terceiro lugar, atrás apenas de “Como fazer o Enem?” e “Como fazer ovo de Páscoa caseiro?”, aparece “Como fazer as pessoas gostarem de mim?”. A pergunta intrigou especialistas e, para a psicóloga Sônia Eustáquia, isso se deve ao imediatismo que virou hábito. “As pessoas querem respostas rápidas para tudo, o que complica a vida no aspecto de compreensão geral do “eu” no mundo, de quem eu sou, de onde vim, para onde vou e o que preciso”.

A partir do momento que elas são acometidas por esses questionamentos, segundo a psicóloga, correm para a internet e encontram receitas prontas, por exemplo, “5 passos para fazer as pessoas gostarem de você”. E se prestar atenção em cada item e decidir segui-los, passa a ser alguém que está representando no mundo, pois as dicas vão fazer com ela deixe de ser si mesma”.

Sônia acrescenta ainda que a preocupação em corresponder a expectativa do outro pode explicar esse comportamento. “Dar amor é abrir mão de algum conforto meu e ofertar aquilo para fazer o outro feliz. Se sigo uma receita e faço o que o outro quer, não me respeito”.

A psicóloga afirma que todos precisamos de processos de autoconhecimento. “É duro se descobrir, mas também é bom e necessário. Precisamos aprender que algumas coisas da vida não têm solução. A gente tem que conseguir estar bem, em paz com nós mesmos e com os outros. E, para isso, é preciso exercitar nossas virtudes”.

Para ela, a busca no Google mostra um sentimento de falta. “Isso é inerente ao ser humano, ele nasce assim e quando precisa de carinho, é comum que busque formas de saná-lo. Algumas pessoas crescem com uma demanda grande de amor, talvez por não ter tido na infância. E isso vai sempre existir, mas pode ser amenizado pelos afetos durante a vida”.

Esse tipo de pesquisa pode gerar frustração, o que traz consequências. “Ao fazer uma busca assim, a pessoa não quer mudança, e sim milagres. Estamos vivendo uma epidemia de depressão, ou seja, uma época de pessoas frustradas, deprimidas e brutas”.

A solução, segundo a especialista, não está em um site, mas na vida real. “A primeira coisa a se refletir é que, para que o outro goste de mim, também preciso gostar de quem sou. Quem não tem, não dá. O autoconhecimento é uma descoberta diária, é preciso buscar maneiras de me amar e de apreciar todas as nuances do meu ser”.

Sônia acrescenta que a vida é uma projeção do outro. “Transfiro para ele o que eu sou, em transcendência. Se eu sou bom, o outro vai ser bom comigo. Por isso, precisamos valorizar nossas qualidades e aprimorá-las, compreender nossos defeitos e buscar corrigi-los, além de entender que não podemos exigir que o outro seja como a gente gostaria que ele fosse”, conclui.

 

Nat Macedo
Belo-horizontina, 22 anos. Graduanda em jornalismo pelo Centro Universitário Estácio de Sá, fez cursos de Consultoria de Imagem e Design de Moda. Há 3 anos criou um blog voltado para o público feminino. Interessada em assuntos relacionados à minoria, gosta de dar visibilidade as pequenas causas voltadas a inclusão e empoderamento destes nichos.