Home > Opinião > Quem sabe, sabe

Quem sabe, sabe

crédito – Neilton Sávio

NOVOS MILIONÁRIOS E DESIGUALDADE EM 2019

O número de milionários no Brasil apresentou uma alta de 42 mil pessoas em 2019, chegando a 259 mil brasileiros. Em 2018, eram 217 mil pessoas, segundo dados da 10ª edição do Relatório de Riqueza Global do Credit Suisse. O Brasil figura entre os países com o maior crescimento de milionários no período, atrás de Estados Unidos, Japão e China. Mas isso não é motivo para comemorar, pelo contrário, se os números para os mais ricos são otimistas, por outro só comprova o abismo de desigualdade imensa que o país enfrenta. Segundo o relatório, o nível alto de desigualdade reflete em parte pela má distribuição de renda, que é um dos problemas recorrentes do Brasil. Dois fatores principais contribuem com esse resultado: baixo desempenho educacional em toda a força de trabalho e a divisão entre os setores formal e informal da economia.

UBER TERÁ NOVO MODELO DE CORRIDA

O aplicativo de transporte Uber terá uma nova categoria de corridas para o mercado brasileiro. Chamada Uber Comfort, a modalidade permitirá que os usuários solicitem carros maiores, mudanças na temperatura do ar condicionado e até se o motorista deve ou não conversar durante a viagem. Pelo aplicativo, o usuário poderá escolher as preferências que serão enviadas ao app do motorista parceiro e o carro ficará ao gosto do usuário. A novidade chegará ao Brasil no final de novembro, mas já está funcionando nos EUA desde julho.

 CARTÃO DE DÉBITO COM DIAS CONTADOS

Transações com cartão de crédito ou débito incluem pelo menos três taxas: banco emissor, bandeira do cartão e a da maquininha que processa o pagamento. Mas, a tecnologia já evoluiu a ponto de baratear a operação, colocando em xeque o modelo tradicional de pagamentos e eliminando tudo que é físico (como maquininhas e cartão de plástico). Um grupo de trabalho no Banco Central está evoluindo na regulamentação para o chamado Fast Payment, uma tecnologia em nuvem que permite pagamentos e transferências instantâneas sem intermediação de bandeiras ou credenciadoras, diretamente entre duas contas (de pessoas físicas ou de empresas). Isso pode ser feito via QR Code, NFC (por aproximação) ou quaisquer outras tecnologias de transferência de dados. (Fonte: InfoMoney)

 CANAL ABERTO

 Rodovias brasileiras têm problemas de conservação. O número de pontos críticos da malha rodoviária pavimentada brasileira aumentou em 75,6% entre 2018 e 2019. Segundo a Confederação Nacional do Transporte (CNT), essa situação, associada a outros fatores como falta de investimentos e má qualidade das pistas, prejudica a competitividade dos produtos brasileiros, aumentando em 28,5% o custo operacional dos produtos que têm, nas rodovias, sua principal forma de escoamento. Os números constam da 23ª Pesquisa CNT de Rodovias, divulgada pela entidade. Ao todo, foram avaliados mais de 108 mil quilômetros de rodovias em todo o país. A análise avalia toda a malha federal pavimentada e os principais trechos estaduais também pavimentados. A má qualidade do pavimento aumenta o consumo – e o desperdício – de combustíveis. Segundo estimativa da CNT, haverá, em 2019, um “consumo desnecessário” de 931,8 milhões de litros de diesel devido à má qualidade do pavimento, o que resultará em uma elavação de R$ 3,3 bilhões nos custos para os transportadores. (Fonte: Agência Brasil)

 Incentivo à produtividade. Os escritórios compartilhados, conhecidos como coworkings, se tornaram uma febre no mundo corporativo e estão criando um ambiente de trabalho mais favorável à criatividade e ganho de tempo. Esse tipo de serviço já está em todos os 26 estados e o Distrito Federal. Com preços acessíveis, os profissionais de diversas áreas encontraram no coworking a oportunidade para troca de experiências e a transformação de ideias em bons negócios. Trabalhar nesses ambientes é uma maneira de economizar. Na locação de uma sala comercial, a pessoa teria de investir muito dinheiro em mobília, internet, telefone e outros equipamentos. No coworking, a mensalidade inclui tudo e por um valor menor. Belo Horizonte já é a terceira no ranking de capitais com maior número de espaços compartilhados.