Home > Geral > Enquanto 37 milhões de toneladas de comida são desperdiçadas no país, 13 milhões passam fome

Enquanto 37 milhões de toneladas de comida são desperdiçadas no país, 13 milhões passam fome

Dados da Fundação Getulio Vargas (FGV) apontam que o Brasil descarta, por ano, quase 37 milhões de toneladas de lixo orgânico. Os rejeitos são, basicamente, restos de alimentos e compõem quase 50% de todo o lixo recolhido. Estima-se que, cada brasileiro, jogue fora mais de 41 quilos de comida anualmente.

O país ocupa a 10ª posição no ranking de maior desperdício. Um estudo feito pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) assinalou que 19 milhões de pessoas poderiam ser alimentadas com a quantidade de comida que é desperdiçada. O número é maior do que o de brasileiros que passam fome: 13 milhões.

Entre os alimentos mais desperdiçados estão o arroz (22%), carnes (20%), feijão (16%) e frango (15%). Para a chefe de cozinha Michelle Pires, um dos motivos do desperdício é o uso incorreto de cascas, folhas e sementes. “Sem contar a comida descartada depois de pronta. Devemos refletir a relação estabelecida com o ambiente e com os recursos que extraímos dele para sobrevivermos. Se fossem bem utilizados, não seria necessário usar substâncias químicas para aumentar a produção”.

Para ela, falta planejamento no dia a dia do brasileiro. “Pensar no cardápio da semana e fazer uma lista do que irá precisar é um início. Isso evita a compra por impulso e reduz gastos e desperdício. Preferir produtos regionais e da estação também é uma boa alternativa. Além de ter um alimento fresco à mesa, evita o consumo excessivo de industrializados. Feiras de produtores orgânicos é outra estratégia e, hoje, com o aumento da conscientização, é bem fácil de encontrar”.

Além disso, a conservação dos alimentos também pode ser uma aliada, afinal essa prática auxilia, inclusive, na preservação dos benefícios nutricionais. O nutrólogo Guilherme Mattos acrescenta que, atualmente, existem formas de armazenamento que ajudam nisso. “A geladeira é a principal delas. O que devemos fazer é higienizá-los antes de guardar em potes ou a vácuo”.

Ele adiciona que utilizar todas as partes do alimento é aproveitar ao máximo os nutrientes ofertados. “Eles podem apresentar concentrações diferentes de proteínas na casca, na polpa e etc. O ideal é explorar as opções”.

Por que não reaproveitamos?
Michelle observa que existe uma dificuldade em reaproveitar a comida. “Com a chegada da indústria dos alimentos e a proposta de facilitar a correria do dia a dia, as pessoas perderam o interesse pelo uso integral dos alimentos, sejam legumes, verduras ou até a sobra”.

Para a chefe, é preciso abusar da criatividade. “Sempre utilizar as sobras para criar pratos no dia seguinte. O alimento está ao nosso dispor, basta procurar como aproveitar, evitando o desperdício”.

Foi por meio de uma atividade proposta pela escola do filho, Pietro, que a maquiadora Emily Oliveira começou a refletir sobre o reaproveitamento. “De 15 em 15 dias, as crianças levam um lanche para ser partilhado em um piquenique. E a professora mandou um desafio aos pais: usar um alimento que seria jogado fora para fazer o prato. Eu não fazia ideia do que fazer, mas, fui na internet e achei várias receitas. Nesse dia o Pietro levou um bolinho de arroz que ficou uma delícia”, gaba-se.

Ela relata que o reaproveitamento virou um hábito. “Por curiosidade, comecei a explorar cada vez mais as receitas. Sei que ajuda o meio ambiente, mas senti, também, a diferença no bolso porque, automaticamente, a comida dura mais na mesa e a gente gasta menos com as compras do mês”.

Reaproveitando na prática:

  • Alho-poró, talos de salsinha, cascas de cebola e cenoura podem ser usados para fazer caldo caseiro para o preparo de sopas, caldos e arroz.
  • A abóbora pode ser 100% reaproveitada. Suas sementes e cascas resultam em um saboroso snack (chips).
  • As cascas da laranja e do limão podem ser usadas para fazer chás e temperos.
  • As cascas da batata também podem ser reaproveitada e virar um delicioso aperitivo.
  • As cascas do melão e da melancia podem virar um delicioso sal junto com especiarias.
  • As folhas da beterraba podem fazer parte da sua salada de folhas.
  • Os talos da couve viram suco ou o crocante da farofa.
Nat Macedo
Belo-horizontina, 22 anos. Graduanda em jornalismo pelo Centro Universitário Estácio de Sá, fez cursos de Consultoria de Imagem e Design de Moda. Há 3 anos criou um blog voltado para o público feminino. Interessada em assuntos relacionados à minoria, gosta de dar visibilidade as pequenas causas voltadas a inclusão e empoderamento destes nichos.