Home > Colunas > Novas mudanças nas regras do futebol

Novas mudanças nas regras do futebol

Muitas mudanças no futebol mundial foram aprovadas no último dia 02 de março de 2019 pela International Football Association Board (IFAB). O encontro realizado na Escócia definiu algumas alterações em regras relativas à marcação de mão na bola, ao local para substituição dos jogadores, cobranças de tiro de meta e bola ao chão.
As alterações, aprovadas pelo órgão responsável por gerir o regulamento no esporte, vão entrar em vigor a partir de 1º de junho, quando a temporada da Europa já tiver terminado, porém, aqui no Brasil, os torneios estarão em andamento. A determinação é que as ligas, como o Brasileirão e a Copa do Brasil se adaptem às novas regras, que valem para todo o mundo, com o campeonato em andamento. A Copa América, que começa dia 14 de junho, já ocorrerá com as novas normas.

De maneira bem resumida, vamos apresentar algumas das mudanças:
– Para evitar a “cera” e o atraso proposital do jogo, a International Board definiu que a saída do jogador para substituição tem que acontecer na linha mais próxima, seja lateral ou de fundo.
– A marcação de mão na bola será mais criteriosa. A norma define que gols marcados diretamente com a mão ou oportunidades de gol criadas depois de ganhar a posse da bola com a mão, mesmo que de forma acidental, não deverão mais ser permitidas. Ou seja, gol quando a bola toca na mão na conclusão ou na origem do lance passará a ser invalidado, mesmo que não seja com intenção.
– A IFAB também aprovou mudança no posicionamento dos goleiros durante penalidades. Antes, os arqueiros tinham que ficar com os dois pés na linha do gol para defender, agora só precisarão manter um dos pés.
– Agora os treinadores e membros da equipe poderão ser punidos como os jogadores no banco de reservas. Foi aprovado dar cartões amarelo e vermelho para a comissão técnica.
– Outra mudança está em quando o árbitro deve dar “bola ao chão”. O juiz deve acionar o recurso quando a bola bater em seu corpo e houver interceptação do árbitro no andamento da partida. (incluindo se uma bola acertar um oficial de arbitragem e entrar no gol, alterar posse de bola de equipe ou quando começa um ataque promissor).
– Para evitar o “empurra-empurra” durante as cobranças de falta, outra alteração na norma foi aprovada. Agora, o jogador do time que tem a falta a favor deverá ficar a um metro da barreira defensiva.
– Não haverá mais a obrigatoriedade da bola sair da grande área para a cobrança do tiro de meta ou cobranças de falta dentro da área. Ou seja, assim que bola for tocada e se movimentar, estará em jogo.
– O cartão amarelo dado a um jogador por celebrar ilegalmente um gol (como, por exemplo, tirando a camisa) será mantido mesmo no caso em que o gol foi anulado por algum motivo, como um impedimento. Para o comitê, a medida é uma precaução contra comemorações inapropriadas de gol, que desperdiçam tempo.
– O jogador que ganhou no sorteio com o uso de uma moeda o direito de escolher para qual lado do campo ele começa atacando poderá agora também decidir quem começa o jogo tendo posse de bola. O comitê cita como argumento até casos em que gols são marcados do meio do campo no início da partida para justificar que a medida torna o jogo mais dinâmico.
– O juiz terá que diferenciar dois tipos diferentes de interrupção de jogo para assegurar a saúde dos atletas. Ele poderá definir um intervalo que varia de 90 segundos a 3 minutos para que os jogadores possam resfriar seus corpos quando as condições climáticas forem adversas (nos casos em que as partidas são disputadas com altas temperaturas, como muitas vezes acontece no Brasil). Também poderá autorizar parada para a hidratação dos jogadores, mas por apenas 1 minuto. A distinção pode ajudar a evitar desperdício de tempo.
– Os juízes não precisarão, caso tenham de aplicar um cartão amarelo ou vermelho, interromper uma cobrança rápida de falta que crie uma oportunidade de gol. Ele poderá esperar o lance ocorrer e só depois mostrar a advertência. Entretanto, se o juiz distraiu uma equipe ao iniciar o procedimento de aplicar um cartão, a cobrança rápida de falta não será permitida.

Pois bem
De posse desses novos conceitos e recentes alterações, acredito que possamos compreender melhor as regras do jogo, e, obviamente, entender a dificuldade dos árbitros em aplicá-las em frações de segundos. Vejam quantos detalhes a serem considerados. E, em se tratando de novas mudanças na regra do jogo, seguramente, irão demandar um tempo para serem assimiladas pelos árbitros. Neste caso, rogamos um pouco de paciência com os homens de preto. Afinal, merecem todo nosso respeito e admiração. São os responsáveis pela condução das partidas e levam consigo a responsabilidade de legitimar os resultados.

*Desembargador do TJMG e bacharel em Comunicação Social – Jornalismo