Home > Geral > UFJF figura entre as três melhores universidades de Minas Gerais

UFJF figura entre as três melhores universidades de Minas Gerais

Levantamento também mostrou que 17 dos 33 cursos avaliados subiram de posição - Crédito: Divulgação

A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) manteve a terceira posição de melhor instituição de ensino superior de Minas Gerais, segundo o Ranking Universitário Folha 2018 (RUF). Na classificação nacional, a UFJF ocupa a 23ª colocação. No total, 33 cursos foram avaliados e 17 subiram de posição na comparação com o ano anterior.

O RUF é feito pela Folha desde 2012 e avalia as 196 universidades brasileiras, públicas e privadas, com base em cinco indicadores: pesquisa, ensino, mercado, internacionalização e inovação. Na avaliação geral, o quesito ensino aumentou cinco posições no ranking, passando da 25ª colocação, para a 20ª. No entanto, o indicador inovação teve uma queda no índice e saiu da 30ª para a 59ª posição.

Entre os cursos da UFJF melhores avaliados destacam-se pedagogia, ocupando a 12ª posição, e matemática, que está em 17º lugar. A graduação em filosofia foi o que mais teve destaque, saltando 33 colocações, figurando agora no patamar de 27º em 2018.

O coordenador do curso de filosofia, Humberto Schubert Coelho, acredita que a melhora na classificação se deve a mudanças de práticas tanto dentro do departamento, quanto da universidade. “Hoje temos concursos públicos mais exigentes; quando há transferências, priorizamos professores com evidente produção acadêmica e competência técnica. Além disso, tivemos a abertura do mestrado, o que permite aos alunos uma formação completa e com corpo docente qualificado”.

A graduação em engenharia elétrica também subiu, passando do 49º lugar para o 19º neste ano. Para o coordenador do curso, Leonardo Willer de Oliveira, esse salto no ranking é reflexo do trabalho desenvolvido na universidade. “Passamos por uma reestruturação e a engenharia elétrica foi dividida em cinco cursos independentes, entre eles o de energia. Houve, por exemplo, mudanças na matriz curricular e adequações de pré-requisitos. Tivemos a entrada de novos professores, todos com doutorado, que estão se estabelecendo e crescendo em suas atividades de ensino, pesquisa e extensão”, encerra.

Daniel Amaro
Formado em jornalismo, Daniel tem 25 anos e possui experiência em assessoria de comunicação voltado para produção de conteúdo para web. Ama escrever sobre política, cultura, economia e saúde. É apaixonado por jornalismo investigativo e estudar inglês. É perseverante e adora desafios. Seu hobby preferido é viajar.