Home > Saúde e Vida > Estalar o corpo faz mal?

Estalar o corpo faz mal?

Ao estalar o corpo, quem nunca ouviu a frase “pare de fazer isso, porque vai dar problema mais tarde”. Mas, às vezes, quando sentimos nosso corpo um pouco tenso, basta esticar um pouquinho e “crêc”, ouvimos o estalido! Dedos das mãos, joelhos, cotovelos, pescoço, coluna, punhos, muitas pessoas possuem o hábito pela sensação de relaxamento que ele traz. Porém, há quem diga que a mania pode acarretar riscos ao nosso corpo – é o que fomos descobrir.

O que causa?
Quando esticamos o nosso corpo, um espaço se forma entre os ossos. Ao fazermos algum movimento mais brusco, essas aberturas formadas “sugam” uma substância chamada líquido sinovial. O estalido acontece por fazermos esse fluido passar de um lugar para o outro, além da pressão criada pela nova lacuna.

De acordo com o ortopedista e professor do Departamento do Aparelho Locomotor da Faculdade de Medicina da UFMG, Ubiratan Brum, não existe nenhuma vantagem em estalar o corpo. Algumas pessoas sentem alívio, inclusive existem outras modalidades que promovem a prática, como a massoterapia, mas não há nenhum registro de benefício. É mais uma sensação individual”.

Ele elucida que, em todo caso, a mania de estalar o corpo também não traz nenhum malefício, mas requer precaução. “A massoterapia e outros métodos têm que ser feitos com cuidado e atenção para evitar manobras que provoquem dor, inflamação, compressão do nervo e acabe prejudicando ao invés de trazer o relaxamento esperado”.

Um outro ponto que, segundo o especialista, demanda atenção é o fato de que o hábito pode virar tique. “Cria-se uma mania de repetição do movimento que é esteticamente feia. Muitas pessoas possuem o tique de estalar o pescoço, por exemplo, e de maneira bastante frequente”.

É o caso do técnico em informática Eduardo Carvalho que precisou buscar ajuda para conseguir controlar o vício. “Eu sentia muita dor por ficar em frente ao computador o tempo todo e, com isso, criei o costume de estalar o pescoço, pois dava uma sensação de alívio. Quando comecei, precisava puxar a cabeça para o lado com a mão. Depois acostumei tanto que, com um movimento, eu já estalava. Então, às vezes, estava digitando, falando no telefone e ficava repetindo a ação”.

Carvalho recorda que sua mãe foi quem o alertou de que a prática não era bacana. “Lembro que ela disse: ‘filho, essa coisa que você faz com a cabeça não é legal’. E isso começou a me incomodar, mas eu sentia a dor no pescoço frequentemente. Optei, então, por ir a um ortopedista que descobriu que, na verdade, eu não tinha uma postura correta e que isso fazia doer”.

Ele começou a se policiar mais. “Evitava ficar torto na cadeira e, vez ou outra, levantava e caminhava um pouco na empresa. Isso ajudou a esquecer um pouco a dor que, posteriormente, sumiu. Cheguei a fazer algumas sessões de massagem que também ajudou, pois a dor me deixava bastante tenso”.

Fique atento!
Apesar de normal, o ortopedista alerta para alguns sintomas que podem acontecer depois do estalido. “Um volume na articulação, dor, aumento da temperatura do local ou alteração na cor da articulação devem receber atenção especial, pois podem ser sinais de que alguma coisa está errada”.

Você sabia?
A Quiropraxia ficou famosa por ser uma técnica que provoca estalos no corpo. Mas, fica o alerta do Edição do Brasil: busque um profissional para que você não tenha problemas.