Home > Principais > Insônia afeta 40% dos brasileiros

Insônia afeta 40% dos brasileiros

consequências da insônia

Ter um sono saudável tem sido um desafio para inúmeros brasileiros, tanto que 40% da população é acometida pela insônia, de acordo com dados da OMS. Em decorrência disso, 11 milhões de brasileiros (7,6% da população) usa medicamentos para dormir.

O neurologista e professor da UFMG Almir Tavares diz que a insônia crônica é o problema mais comum, mas muitas pessoas tem se privado do sono devido à rotina. “Às vezes, a pessoa deliberadamente dorme menos do que deve para realizar determinada tarefa, porque sua rotina é tão frenética que sobra pouco tempo para dormir. O ideal é repensar esse estilo de vida a fim de comportar as 8h de descanso”.

Segundo o especialista, a pessoa pode demorar a cair no sono ou ter uma noite ruim, o que é absolutamente comum. “Temos microdespertares durante a noite, quando a gente acorda volta a dormir e no outro dia nem lembra. Quando o problema se estende por mais de uma semana ou meses é preciso buscar auxílio médico. Existem tratamentos psicológicos e psicoterápicos direcionados à insônia, além dos medicamentos”.

Ele acrescenta que uma noite bem dormida é essencial. “O sono agregado a atividade física e alimentação são pilares de uma vida saudável. O essencial é que a pessoa durma 8h por dia na fase adulta. Esse tempo varia com a idade, crianças precisam de mais tempo, enquanto que a terceira idade tende a dormir menos”.

Crie um clima
Tavares cita que existem recomendações denominadas como higiene do sono. “A pessoa precisa estar em um ambiente adequado, sem barulho, ventilado e com uma temperatura adequada. Preferencialmente, sem alérgenos e poeira, porque tudo isso pode dificultar o descanso”.

Alguns hábitos podem acarretar a privação do sono. “A cafeína, por exemplo, pode prejudicar. Vale ressaltar que ela não está presente somente no café, mas em outros alimentos. Um outro ponto é que muitas pessoas entendem que o álcool auxilia no relaxamento, mas é o contrário. Ele auxilia a dormir, porém quando o efeito passa, a pessoa acorda abruptamente e pode perder o sono”.

Bola de neve
O neurologista informa ainda que os adolescentes têm uma tendência a dormir tarde e que isso pode virar uma bola de neve. “É fundamental que os pais mostrem a seus filhos a importância de ter uma noite bem dormida”.

O hábito de ir deitar tarde trouxe consequências para a atendente Lais Santos. “Quando era mais nova eu sempre entrava a madrugada conversando com minhas amigas no computador, vendo filmes, lendo livro etc. Eu ia dormir por volta de 3h da manhã e no outro dia acordava quase 11h, visto que eu estudava no período da tarde. Hoje, não consigo dormir cedo. “Acordo às 6h15 da manhã para ir para o trabalho e o mais cedo que durmo é 1h. Tenho buscado tomar chá de camomila, largar o celular e desligar a TV, além de deitar mais cedo para vê se isso me ajuda. O chá relaxa bastante, mas eu ainda fico cansada”.

Tavares afirma que o cansaço é de fato uma das consequências da insônia e que, além disso, a pessoa pode ter dificuldade para se concentrar. “A longo prazo, ela pode ser acometida até mesmo por problemas psicológicos”.

Hora de relaxar

A proprietária da marca Produtos Lucenna, Denise Lucena, dá algumas dicas de ervas e alimentos que podem auxiliar para um sono tranquilo. Confira:

Erva cidreira: Deve ser fervida e consumida imediatamente, pois conservá-la tira suas propriedades. O ideal é tomar o chá até 2h antes de dormir.

Maracujá: Pode ser feito o chá com suas folhas, o suco da polpa ou o consumo da própria fruta. Ele tem propriedades tranquilizantes.

Alface: Deve ser degustado sem condimentos no lanche ou jantar. Tem efeito calmante.

Alecrim: Pode ser fervido com a água ou ser usado em fusão.

Mulungu: É um excelente tranquilizante e calmante, é necessário deixar em fervura por alguns minutos.

 

Nat Macedo
Belo-horizontina, 22 anos. Graduanda em jornalismo pelo Centro Universitário Estácio de Sá, fez cursos de Consultoria de Imagem e Design de Moda. Há 3 anos criou um blog voltado para o público feminino. Interessada em assuntos relacionados à minoria, gosta de dar visibilidade as pequenas causas voltadas a inclusão e empoderamento destes nichos.