Home > Geral > Viajar com animal de estimação requer cuidados redobrados

Viajar com animal de estimação requer cuidados redobrados

Hoje em dia os cães são considerados parte da família e nas férias, em que muitas pessoas pretendem viajar sem abrir mão de seu animal de estimação, alguns cuidados devem ser tomados para evitar transtornos. Pensando nisso, o Edição do Brasil conversou com o veterinário Alexandre Bastos.

Bastos explica que o animal nunca deve viajar solto dentro do veículo. “Para a segurança de todos, o certo é utilizar os cintos especiais para cães ou então em uma caixa própria para pets, nesse caso, é preciso amarrá-la no banco com um cinto, porque se o carro der uma freada brusca evita que o bichinho seja arremessado”. Ele salienta que o suporte deve ser ventilado e com um espaço adequado de acordo com cada animal.

De acordo com o veterinário, o cão precisa ser preparado para a viagem. “Se ele já está acostumado a passear de carro ótimo, mas se ainda não estiver, será preciso que ele se acostume. Faça que o bichinho entre e saia do automóvel como se fosse uma brincadeira e sempre dê uma recompensa. Leve o animal para passear em locais próximos e vá aumentando a distância gradativamente. Na caixa própria também é preciso acostumá-lo. Neste caso coloque-a em um local onde o cão goste de ficar. Deixar alguns brinquedos de morder ou ossinho ajuda bastante”.

Assim como os humanos, os animais também podem ter enjoos. Bastos recomenda evitar que o pet viaje com o estômago cheio. “Em alguns casos é possível dar alguma medicação contra náuseas e enjoos. Mas é importante consultar o veterinário antes. Dependendo da duração da viagem, será preciso fazer algumas paradas para que o animal possa tomar água, se alimentar direito e fazer suas necessidades”.

A estudante universitária Roberta Silva vai passar duas semanas de férias em Cabo Frio no início do ano e vai levar seu Lhasa Apso de 3 anos. “Esta é a segunda vez que viajamos juntos. Ano passado ficamos em uma pousada petfriendly e vamos repetir a dose. O lugar tem uma paisagem incrível, sem falar no espaço que o Sushi tem para brincar. Também é perto da praia e podemos caminhar pela orla”. Ela diz que é muito apegada ao seu pet. “Acho que eu não ia aproveitar muito se eu não levasse o Sushi na viagem comigo. Ficar pensando que eu deixei ele sozinho em casa. O mais interessante é a gente poder se divertir juntos”.

Roberta conta que pensou que seria mais difícil conseguir levar seu melhor amigo para a viagem. “Dei uma pesquisada no que seria preciso e a primeira coisa que fiz foi consultar um veterinário e seguir todas as dicas dele. Comprei a caixa própria e fiz a adaptação. E como sempre vamos de carro, fica tudo mais fácil. Não tive problemas da primeira vez, foi tudo muito tranquilo. Eu sempre levo na mala a caminha dele, coleira para os passeios, alguns brinquedinhos e a ração”, finaliza.

E além de viajar de carro, muitas pessoas vão de ônibus ou avião. Nesses casos, o veterinário recomenda atenção redobrada. “É importante estar em dia com a vacinação. Caso não esteja, este é um bom momento para atualizar. Também tem que ter o atestado de saúde do animal. Esse documento deve ser feito por um médico veterinário e para ter validade na hora do embarque, deve ser emitido em até no máximo 10 dias antes da viagem. Essa certidão serve para mostrar que o cão foi examinado e está livre de doenças”.

Algumas companhias aéreas permitem que o cão vá junto com você na cabine de passageiros. Desde que não excedam 10kg e caso seja maior, vão no compartimento de cargas em uma caixa de transporte própria. A caixa deve ser grande o suficiente para acomodar o animal e mais as vasilhas de água e comida”. Ele recomenda sempre identificar a caixa com o nome do animal, além de telefone e endereço do dono. Em viagens de ônibus as regras são basicamente as mesmas.

Penalidades
Você com certeza já viu algum cachorro com a cabeça para fora da janela do carro, seja passeando ou durante alguma viagem. No entanto, essa é uma situação perigosa que pode trazer riscos para os ocupantes do veículo e causar acidentes. E o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) prevê infrações do tipo médio e grave, além de multas para os motoristas que forem flagrados transportando cães de maneira irregular.

De acordo com a legislação, conduzir animais nas partes externas do veículo é considerado uma infração grave, com multa de R$ 127,69 e cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Transportar o cão à esquerda do motorista ou entre os braços e pernas também é proibido. Neste caso, a infração é média, passível de multa de R$ 85,13 e punição de quatro pontos na CNH.

DICAS IMPORTANTES

– Consulte o veterinário antes da viagem

– Mantenha todas as vacinas em dia

– Leve objetos que o cão goste

– Verifique se a hospedagem de destino permite a entrada de cães

– Sempre coloque identificação na coleira

Daniel Amaro
Formado em jornalismo, Daniel tem 25 anos e possui experiência em assessoria de comunicação voltado para produção de conteúdo para web. Ama escrever sobre política, cultura, economia e saúde. É apaixonado por jornalismo investigativo e estudar inglês. É perseverante e adora desafios. Seu hobby preferido é viajar.