Home > Colunas > Nunca desiste

Nunca desiste

Recente edição da revista Veja apresenta como matéria de capa uma reportagem em que o petista Antônio Palocci, preso pela Operação Lava Jato e procurando diminuir o tempo de cadeia (doze anos que ainda terá de cumprir), denuncia o PT e o seu líder máximo Luís Inácio da Silva por receberem dinheiro da Líbia pelas mãos do então ditador Muamar Kadafi.

O fato ocorreu em 2002 e Palocci, na época Ministro do governo, coube encontrar um jeito de colocar o dinheiro dentro do Brasil. Agora, por sua delação premiada, ele promete exibir os comprovantes da mutreta.

Pela gravidade da denúncia, o caminho jurídico seria a cassação do registro do PT e a inviabilização da candidatura de Lula à presidência. Este é apenas um dos “rolos” protagonizado pelo ex-presidente e seu partido para implantar uma ditadura comunista no Brasil, com aval de Cuba, na época ainda com Fidel Castro no comando.

Logicamente a safadeza envolve empreiteiras, principalmente a Obedrecht que aliás, levou segundo a reportagem, obras de US$1,4 bilhão da Líbia com intermediação do ex-presidente. Este talvez seja um simples exemplo de todas as tramóias promovidas pelo Sapo Barbudo e seus asseclas comunistas que acabaram por “quebrar” as estatais, entre elas a Petrobrás e o BNDES, levando à breca a economia brasileira, tudo em nome do chamado ideal revolucionário da esquerda.

É essa figura que faz campanha política disfarçada, descumprindo a legislação eleitoral brasileira, agredindo as instituições, desrespeitando a Constituição e cada dia ocupando espaço no noticiário e nas redes sociais como se fosse um “santo”.

Como eles não cedem nem desistem diante de tantas denúncias e condenações, descaradamente o demiurgo de Garanhüns continua em sua determinação de percorrer o Brasil para levar a sua “mensagem”.

Cada vez mais a presença de público diminui, mas para ele isso não tem importância porque o que interessa é a presença na mídia e nas redes antissociais.

Falando nisso, o Demiurgo passou por Belo Horizonte onde meia dúzia de três ou quatro foram ouvir sua pataquada parece que na praça da Estação. Nossa Capital, aliás, se notabiliza por aqui aglutinar uma considerável massa de petralhas que se reúnem nas centenas de botecos da cidade para manter a sanha de nunca ceder nem nunca desistir da ideologia falida que tem o Brasil como objeto do desejo comunista.

Segundo esta sanha, conquistado o Brasil seria uma mamata dominar toda América Latina. E ele, o Demiurgo de Garanhüns, tenta a cada dia “honrar” o seu destino de se transformar numa espécie de rei do continente. Nós merecemos!!!