Home > Principais > Psoríase atinge 2,7 milhões de brasileiros

Psoríase atinge 2,7 milhões de brasileiros

A psoríase é uma doença inflamatória crônica e um de seus principais sintomas é o aparecimento de manchas avermelhadas e descamativas na pele. As lesões podem surgir em qualquer parte do corpo, sendo mais frequente nos cotovelos, joelhos e couro cabeludo. De acordo com o médico dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), Caio Castro, a doença atinge 2,7 milhões no país. E, apesar do número, a psoríase ainda é pouco conhecida e muitas vezes desperta preconceito da população.

O dermatologista explica que a doença vem da predisposição genética e não é contagiosa. “Existe fatores que pioram e precipitam seu surgimento como infecção de garganta, fumo, obesidade, algumas medicações, excesso de álcool e estresse físico e emocional. A doença não tem cura, mas existem tratamentos modernos e eficientes que são feitos à base de pomadas e medicamentos. Tem pacientes que conseguem ficar longos prazos sem o aparecimento das lesões”.

A psoríase pode se apresentar de várias formas, sendo o mais comum em placas ou vulgar. “Esse tipo é o mais leve e é onde surgem manchas avermelhadas e descamativas, principalmente nos cotovelos e joelhos. Os sinais da doença são mais propensos a surgir entre os 30 e 40 anos, mas não é uma regra. A psoríase gutata, por exemplo, aparece como pequenas gotas vermelhas e com escamas espalhadas em todo o corpo, normalmente depois de uma infecção bacteriana, comum em crianças e adolescentes”.

Vencendo o preconceito

A publicitária Ana Carolina convive com a doença há 8 anos. Ela conta que o primeiro sintoma foi uma pequena mancha vermelha no cotovelo. “Eu nem liguei no início, pois parecia uma alergia simples ou então uma picada de mosquito. O problema é que a mancha começou a ficar maior e a descamar. Pensei em inúmeras possibilidades, cheguei a parar de passar creme, troquei meu sabonete. Resolvi procurar um dermatologista e, para minha surpresa, ele disse que eu estava com psoríase. Eu nunca tinha ouvido falar nessa doença. Desde então, faço uso de medicamentos e de pomadas”.

Ela afirma que o pior de tudo é a coceira causada pela doença. “Eu convivo bem com a psoríase, tenho seguido o tratamento corretamente. O que mais me incomoda é o olhar das pessoas. Mesmo explicando que não pega, muitas têm nojo e não querem nem ficar perto. Elas ficam assustadas e nem procuram saber o que é antes. Ainda existe um certo preconceito”.

Campanha nacional

O Dia Mundial da Psoríase é celebrado em 29 de outubro e a Sociedade Brasileira de Dermatologia programa uma série de ações, com foco especial nas redes sociais. De acordo com Castro, que também é coordenador da Campanha Nacional de Psoríase da SBD, o objetivo principal é a conscientização. “Queremos ressaltar as perspectivas de tratamento da patologia para uma melhora na qualidade de vida dos pacientes. Com um tratamento adequado é possível mudar a forma de encarar a doença e vivenciar melhor as situações do cotidiano”.

Para a ação deste ano, a entidade preparou um vídeo de aproximadamente um minuto, explicando os principais mitos e verdades sobre a doença. A campanha também pretende chamar atenção para o correto diagnóstico e o acesso à informação, que segundo o dermatologista, são as principais armas para combater o preconceito. “O apoio da família e de pessoas próximas, também são fundamentais para que o portador de psoríase aprenda a se cuidar e a gerenciar a doença”, finaliza.

 

Entre outras ações, a SBD e a Psoríase Brasil lutam pela inclusão de melhores condições de tratamento na agenda pública de saúde. As entidades tentam pleitear na Câmara dos Deputados, em Brasília, a implementação da Frente Parlamentar Mista Pela Causa da Psoríase e Artrite Psoriásica. Estarão em pauta assuntos como a elaboração de políticas públicas para a doença e a incorporação de medicamentos diferenciados aos tratamentos disponibilizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Nat Macedo
Belo-horizontina, 22 anos. Graduanda em jornalismo pelo Centro Universitário Estácio de Sá, fez cursos de Consultoria de Imagem e Design de Moda. Há 3 anos criou um blog voltado para o público feminino. Interessada em assuntos relacionados à minoria, gosta de dar visibilidade as pequenas causas voltadas a inclusão e empoderamento destes nichos.