Home > Principais > Aumenta número de brasileiras que preferem ter filhos após os 40 anos

Aumenta número de brasileiras que preferem ter filhos após os 40 anos

Mulheres estão optando por engravidar depois dos 30 anos - Crédito: Reprodução

As brasileiras estão reformulando os planos de maternidade e deixando para ter filhos depois dos 30 anos. De acordo com o estudo “Saúde Brasil”, o percentual de mães nessa faixa etária cresceu na última década, passando de 22,5% em 2000 para 30,2% em 2012. Já o número de mulheres com menos de 19 anos que tiveram filhos caiu de 23,5% para 19,3% no mesmo período.

Há aquelas que estão optando por adiar ainda mais a gestação: segundo dados do Ministério da Saúde, divulgados em fevereiro deste ano, o número de mulheres com mais de 40 anos que tiveram filhos subiu 49,5% em 20 anos, passando de 51.603 em 1995 para 77.138 em 2015.

Esse é o caso da administradora de marketing, Adriana Torres, 45. Ela conta que a gravidez do seu filho Leon não foi planejada. “Falávamos a respeito de ter um filho, afinal, eu estava com 39 anos e meu companheiro com 48 anos. Ele era recém-separado e tinha duas filhas do casamento anterior, então decidimos deixar rolar. Eu não acreditava que engravidaria naquela altura do campeonato – mas a voz da minha mãe, falecida 3 anos antes, me dizia internamente que sim, o que de fato aconteceu”.

Adriana diz que, antes de ter o Leon, sofreu muita pressão de sua família para ter filho, porém quando soube que estava grávida, alguns parentes não aprovaram a gestação.

Ela relata que foi uma gravidez natural, saudável e que engordou cerca de 10 quilos. “Claro que não foi fácil ser mãe aos 40 anos. O lado bom é que eu não precisava mais provar que sou uma excelente profissional, isso ficou para os 20, 30 anos, então pude colocá-lo como prioridade na vida. O lado ruim é que gostaria de ter tido mais filhos. Não é a idade que vai determinar a qualidade da sua relação com seu filho e sim sua vontade e capacidade de se abrir para este amor que revolucionou a minha vida para sempre!”

Mudança no perfil

O psicólogo e mestre em análise de comportamento Gustavo Teixeira diz que essa mudança do perfil da maternidade tem relação com duas conquistas históricas femininas, alcançadas no século passado – os métodos contraceptivos e a longevidade. “Agora, as mulheres podem escolher quando terão filhos e, com o aumento da expectativa de vida, elas têm mais tempo para se programar. Além disso, isso está associado a outra questão prática, que permite conseguir primeiro segurança profissional e financeira que, geralmente, ocorre a partir dos 30 anos, após ter estudado, conseguido um bom emprego e construído um patrimônio”.

O ginecologista Sandro Sabino explica que uma boa gravidez está mais ligada à hábitos da futura mãe do que, necessariamente, a idade. “Se comparar uma gestação de uma mulher de 45 anos saudável e com uma de 21 anos, que fuma, tem diabetes e é obesa, obviamente, a que se cuida vai ter uma gestaçãoo melhor”.

Porém, em relação às chances de engravidar, o médico diz que a taxa de fertilidade diminui aos 35 anos e despenca depois dos 37 anos. “Após essa idade, o óvulo perde a qualidade e envelhece, o deixando mais suscetível de ter algum problema. Mas é importante destacar que uma vez a gravidez ocorrida, o mais importante é a saúde da mãe, que afeta o bebê. Não tem uma idade certa para engravidar”.

Congelamento de óvulo

Sabino ressalta que, atualmente, os casais estão optando por congelar os óvulos, pois no momento em que começam a tentar ter filhos, a taxa de fecundidade já está baixa ou as mulheres já começam a ter problemas de saúde que dificulta engravidar. Segundo o médico, o número de pessoas que procuram a clínica para congelar os óvulos têm dobrado ano após ano.

“O que a gente faz é congelar e mantê-los imunes ao tempo, ou seja, se que colheu quando a mulher tinha 30 anos, se implantarmos esse óvulos quando ela tiver 50 anos, as chances dela são as mesmas de quando tinha 30”.

 O ginecologista salienta que o processo de congelamento de óvulos deve ser entendido como apenas mais uma possibilidade para engravidar, mas que o ideal é que o processo aconteça naturalmente. “Não congelamos os óvulos para que no futuro ela faça o tratamento. Esse procedimento abre mais uma margem de opção para a mulher”.


Para congelar óvulos, a mulher poderá desembolsar de R$ 6 mil a R$ 10 mil, sendo que o processo é feito apenas uma célula por vez. Caso opte por guardar mais, esse valor é multiplicado pela quantidade de óvulos que deseje manter na clínica.