Home > Economia > Cresce demanda pelo transporte rodoviário

Cresce demanda pelo transporte rodoviário

Venda online de passagens rodoviárias aumentou 40% no mês de férias - Crédito: Dênio Simões/Agência Brasília

Os brasileiros têm avaliado melhor seu meio de transporte na hora de viajar, uns por opção e outros devido à crise econômica aliada as mudanças nas diretrizes das companhias áreas. Segundo levantamento do ClickBus, a venda online de passagens rodoviárias aumentou 40% neste mês de férias em relação ao mesmo período no ano passado.

De acordo com o estudo, os principais destinos são: São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte e Salvador. A pesquisa aponta que, além das folgas escolares, quando as famílias saem em férias, esse movimento também é ocasionado pelo recesso das universidades, quando alunos que saíram de suas cidades para estudar retornam para suas casas, aumentando ainda mais o fluxo de pessoas nas rodoviárias.

 Perfil

A organização também realizou um estudo sobre o perfil dos usuários do transporte rodoviário brasileiro e segundo os dados, a maioria dos viajantes são mulheres, representando 54% do montante; 60% tem entre 18 e 34 anos e, em sua maior parte, viajam sozinhos.

De acordo com a pesquisa, em 2016, foram transportados 160 milhões de passageiros para mais de 4.600 destinos brasileiros, totalizando 7,9 milhões de passagens vendidas online, com faturamento de R$ 743 milhões, cerca de 5% de todo setor.

O co-CEO e fundador da ClickBus, Cesário Martins, destaca que o mercado rodoviário online vem crescendo devido a inúmeros motivos. “A praticidade de comprar, a comodidade tecnológica e, claro, a modernização das empresas rodoviárias em seus ônibus: wi-fi, poltronas mais confortáveis e espaçosas e, em algumas, até serviço de bordo é oferecido. Com isso, as pessoas já acostumadas com o aéreo encontram mais facilidade para migrarem para o rodoviário não só por conta da crise, mas também porque esse transporte é muito mais conveniente no quesito burocracia e facilidade”.

Consumidor

Desde abril, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) permite a cobrança pelo despacho de bagagens pelas companhias aéreas que cobram a tarifa adicional de R$ 30 a R$ 260. Algumas empresas de aviação já definiram regras e vão cobrar por bagagem de mão, incluído no valor da passagem o despacho de malas até 23kg, outras terão opções de passagens com direito a apenas a bolsas e mochilas. Essa medida foi adotada para que as empresas possam oferecer passagens mais baratas, no entanto, nem sempre a conta é vantajosa.

Em contrapartida, para quem tem preferência por ônibus, o transporte oferece gratuidade do despacho de duas malas de até 30 kg. Martins destaca que o mercado rodoviário tem se tornado mais atraente para o cliente e para o turismo no geral. “As rodoviárias são mais bem localizadas, o que reduz o tempo e, às vezes, até o custo de locomoção. A antecedência exigida para embarcar no avião somada ao tempo de locomoção, muitas vezes, igualam-se ao tempo de viagem de ônibus. Algumas rotas importantes do turismo brasileiro ou dentro de Estados, nem oferecem voos diretos, compensando ainda mais viajar de ônibus”.


 Na estrada

O feriado de Corpus Christi movimentou as rodoviárias brasileiras. Segundo levantamento da ClickBus, houve um aumento de 25% em relação ao mesmo feriado do ano passado. As regiões com mais viajantes foram a Sudeste (67,9%), Sul (15,8%), Nordeste (10,75%), Centro-Oeste (6,74%) e Norte (0,33%). Já os principais destinos na data foram São Paulo – Tietê e Barra Funda (14,5%), Rio de Janeiro (12,42%), Curitiba (4,56%) e Belo Horizonte (3,96%).


Ideia e ascensão

Martins salienta que o setor rodoviário é um gigante do segmento de turismo, contudo diz, que é pouco explorado e como consequência a questão tecnológica acabou sendo esquecida no ramo até 2013. “A maioria dos investimentos no turismo brasileiro são feitos visando o aéreo e o setor hoteleiro, enquanto o rodoviário oferece mais de 4.600 destinos, quase 200 viações e mais de 100 mil rotas. Ou seja, o modal mais democrático no turismo brasileiro não vinha recebendo atenção e, por isso, criamos a ClickBus há 4 anos”. 


Tempo x Custos

Os valores para o transporte rodoviário são mais em conta, entretanto, o consumidor deve avaliar o tempo do trajeto, em alguns casos, as horas de viagem podem implicar no objetivo da pessoa – pois em determinadas situações – tempo é dinheiro.

Mas, outro fator que deve ser levado em consideração é o trajeto até o aeroporto, pois dependendo da localização, essa locomoção é mais demorada do que a viagem de avião, um exemplo é o aeroporto de Confins que está há 38 Km do Centro da capital, adicionando cerca de mais 1 hora no tempo médio de viagem.

Ariane Braga
Apaixonada por animais, mercado econômico e educação. Tem 29 anos, graduou-se em jornalismo e cursou MBA em marketing na Unopar. Tem experiência de mais 8 anos na área de comunicação e marketing, com a elaboração de projetos, assessoria de imprensa, redação e edição de jornais e revistas, planejamento e monitoramento de mídias sociais, comunicação interna e fotografia.