Home > Saúde e vida > Jejum intermitente: prática para emagrecer pode fazer mal a saúde

Jejum intermitente: prática para emagrecer pode fazer mal a saúde

Muitas pessoas fazem loucuras em busca do corpo perfeito. A nova tendência para emagrecimento é o jejum intermitente. O processo promete emagrecimento rápido, mas com um longo período em jejum sem consumir nenhum alimento, inclusive pulando refeições importantes, como o café da manhã. Pessoas adeptas a esse jejum chegam a ficar de 8h a 36h sem comer.

A nutricionista Cássia Nascimento explica que, nesta estratégia, o corpo é forçado a usar sua reserva de gordura, uma vez que a pessoa fica muito tempo sem comer. “De certa forma, você comeria em um momento que seu corpo realmente precisa e fica o resto do dia em jejum para otimizar o uso dessa reserva”.

Mas, de acordo com ela, a prática deve ser feita de forma cautelosa e orientada, do contrário, pode causar sérios riscos a saúde. “Esses métodos não se aplicam para a maioria da população, porque o método é individual. Ele é muito usado em pessoas que já estão em um nível avançado de atividade física, ou que faz uma dieta controlada há muito tempo. Porém, uma pessoa diabética, por exemplo, ou que tenha pressão baixa, não deve ficar em jejum, pois pode passar mal. É muito perigoso para nossa saúde fazer algo que o corpo não está preparado”.

Foi o que aconteceu com a estudante Isadora Ribeiro. Ela conta que leu sobre vários métodos na internet e decidiu pelo jejum intermitente porque ele a faria perder peso mais rápido. “Coloquei na cabeça que precisava perder peso para ficar bonita no vestido de formatura. No entanto, nunca fiz exercício e não tenho bons hábitos alimentares. Lembro que ficava por horas sem comer, principalmente, enquanto estava no colégio. Quando a fome apertava muito, eu comia um pedacinho de queijo branco”.

A prática não durou muito. “Eu comecei a me sentir fraca, mas insisti além do que o meu corpo podia. Um dia estava no ônibus, indo para o colégio, sem tomar café, e minhas pernas ficaram bambas. Depois disso, só lembro de ter acordado deitada no chão do coletivo, com várias pessoas olhando pra mim. A partir daí, desisti do jejum. Consegui perder 5 quilos em três semanas, mas não valeu a pena porque fiquei muito mal”.

Alimentação
A nutricionista comenta que ficar muito tempo sem comer não, necessariamente, faz com que a pessoa emagreça. Na verdade, o que auxilia na hora de perder peso é o que você come. “Quantas pessoas ficam horas sem comer, às vezes, não janta, pula o café da manhã e não é magra? Isso ocorre porque a alimentação é errada. O jejum em si não emagrece, mas a dieta, sim”.

Ela acrescenta que o ideal é ajustar a prática para cada organismo. “É essencial que a pessoa tenha todos os macro e micro nutrientes balanceados ao longo do dia para que tenha a energia necessária. Tudo isso deve ser equilibrado dentro do perfil e objetivo de cada um”.

Cássia reforça ainda a necessidade de auxílio médico. “A pessoa precisa de um profissional, seja um médico, nutricionista ou professor de educação física para adaptar o seu estilo de vida a sua necessidade. Para tudo isso é preciso força de vontade. O que mais funciona é aquilo que conseguimos fazer por mais tempo, por isso, a dieta, ou qualquer outro procedimento escolhido, tende a ir evoluindo de acordo com os limites da pessoa”, conclui.

Foto: divulgação*

Natália Macedo
Belo-horizontina, 22 anos. Graduanda em jornalismo pelo Centro Universitário Estácio de Sá, fez cursos de Consultoria de Imagem e Design de Moda. Há 3 anos criou um blog voltado para o público feminino. Interessada em assuntos relacionados à minoria, gosta de dar visibilidade as pequenas causas voltadas a inclusão e empoderamento destes nichos.