Home > Colunas > Gestão de clubes de lazer: erros, acertos e “carta de princípios”

Gestão de clubes de lazer: erros, acertos e “carta de princípios”

1 –Sinopse – Recentemente, um senhor idoso foi esquecido por aproximadamente 20h na sauna de um clube em BH. No domingo de manhã, saiu de sua casa para o clube e por volta das 21h, ainda não havia chegado. Familiares preocupados o procuraram por todas as partes da cidade, hospitais, delegacias etc. Na segunda feira, às 07h, foram informados que a sauna foi higienizada no fim do dia e o clube foi todo vistoriado antes de seu fechamento. Ao entrar na sauna às 11h30 desta mesma segunda feira, pedreiros encontraram o mesmo senhor desmaiado, com desidratação e queimaduras. Foi socorrido e internado por seus familiares, que também registraram um Boletim de Ocorrência (BO) na polícia.

Mudo de história! Em janeiro, no final da tarde de domingo, um homem jovem atirou na cabeça da esposa, na frente do filho, dos frequentadores e dos funcionários de um conhecido clube na grande BH. O criminoso fugiu em seu carro.

Mudo de assunto! No país, afogamentos em piscinas são responsáveis por 54% dos casos de crianças entre 1 a 9 anos, sendo que estes óbitos concentram-se em 44% em apenas nos 4 meses do verão, de novembro a fevereiro. Trata-se de um índice muito alto de afogamentos, para tão pouco tempo! (Sociedade Brasileira de Salvamentos Aquáticos (Sobrasa)

2 – Atividade-fim – No contexto da “atividade-fim”, os sábados e domingos constituem nos dias mais produtivos de “fornecimento de lazer” de um clube.

3 – Gestão da surpresa – Brincamos com amigos que, aos domingos na parte da tarde, espiritualmente, quanto mais silencioso estiver o clube, paira no ar o “perigo”! A atenção da equipe operacional deve ser redobrada! Sempre foi difícil conceituar a “surpresa” e, dependendo da situação, “administrá-la” é mais difícil ainda! O prof. Anssoff elaborou vários artigos sobre este polémico tema que é a “gestão da surpresa”! Faltando “talento” para administrá-la, a “surpresa” torna-se incontrolável! Por exemplo: qual presidente de clube imaginaria que um associado idoso passaria 24h esquecido na sauna ou, que um homem iria dar um tiro na cabeça de sua esposa em pleno lazer ou, que aconteceria um falecimento por afogamento de uma jovem num domingo de verão? Por estas e outras questões, entendemos que dirigentes afins, devem “rever conceitos”, e já procurar uma forma “mais profissional” para conduzir o seu respectivo clube.

4 – A piscina e o afogamento – O afogamento, constitui-se num incidente silencioso, cercado de mistérios espirituais indecifráveis. Entre outros, a maior razão deste incidente é a ignorância de dirigentes de clubes, sobre o “tamanho exato” deste lamentável fato! Sabem que a ferramenta mais eficaz para este problema é a “prevenção”! Prevenir é salvar! Prevenir é planejar! E planejar é gestão! Uma boa gestão evitará que este fato lamentável aconteça! Em Miami, percebemos que os salva-vidas permanecem assentados no alto de uma cadeira de 2,50 metros de altura, um em cada lado, na beira da piscina, com um apito. Ficam totalmente focados nas pessoas, crianças, jovens, idosos etc que se adentram na água. Tolerância zero para afogamento há 35 anos, desde a fundação do clube! Nos Estados Unidos, as leis são extremamente severas! Um falecimento por afogamento determina o fechamento imediato do clube, além de um avassalador e leonino processo jurídico. Nesta ocasião, observamos também que, tais salva-vidas não conversam. Eles ficam totalmente focados na movimentação das pessoas nas águas das piscinas. No Brasil, dirigentes responsáveis por piscinas de clubes, devem manter seus alertas em níveis máximos de atenção, por meio de permanentes reuniões de supervisão com os profissionais afins.

5 – Considerações finais – O “pensamento, ideias e ideais” do presidente, diretores e conselheiros de um clube de lazer, constituem-se em indicadores, que irão determinar seus “erros e acertos” em termos de desempenho! Independente de Estatuto, Regimento Interno, Normas Gerais etc recomenda-se um “guia”, que enseja uma “filosofia de atuação”, traduzida por meio de uma “carta de princípios”, com os mencionados indicadores descritos da seguinte forma: “visão, missão, filosofia de ação, valores, crenças e princípios”.