Home > Destaques > Miopia vai atingir metade da população até 2050

Miopia vai atingir metade da população até 2050

Você consegue enxergar um objeto de longe? E o letreiro do ônibus quando ainda está a uma certa distância? Se você respondeu não a uma dessas perguntas, você pode ser míope. Estima-se que 25% dos brasileiros sejam acometidos pelo problema. Dados de um estudo publicado pela Academia Americana de Oftalmologia apontam que até 2050 metade da população mundial será míope. No Brasil, esse número passará de 27,7% em 2020 para 50,7% em 2050.

Ainda de acordo com a pesquisa, um quinto do grupo que será afetado vai correr um risco significativamente alto de cegueira se as tendências atuais continuarem. O médico oftalmologista Elisabeto Ribeiro explica que isso acontece, porque a miopia pode ser à porta de outras doenças. “A retina do míope é mais frágil e isso pode acarretar muitos problemas, o principal é o próprio deslocamento da retina. Um trauma, pancada ou esbarrão raramente é grave para uma pessoa normal, já para o míope, a propensão é maior”.

Ribeiro elucida que o olho de um míope é um pouco maior que o normal. “A miopia faz com que o olho tenha um tamanho superior ao de outras pessoas que não tem o problema, mas isso é imperceptível, é questão de milímetros”. O oftamologista acrescenta que isso cria uma pré-disposição ao distúrbio e o torno inevitável. “Com o tempo, a pessoa acaba desencadeando dificuldade de visão e, a partir daí, precisa usar óculos. Um outro fator é a condição genética. Se a pessoa têm casos na família, aumenta em 20% as chances dela também ter”.

Sinais
O problema apresenta sinais como dor de cabeça e tensão ocular, mas o principal é a dificuldade de enxergar de longe. Foi o que fez o blogueiro e youtuber, Igo Lucas. Ele descobriu que tinha miopia, após sentir dificuldades para enxergar o que a professora escrevia no quadro. “Eu sentava na terceira carteira e, mesmo assim, semicerrava os olhos e forçava para ler”, recorda.

Depois de consultar um oftalmologista, ele constatou o problema. “Na minha família tem vários casos, então eu já desconfiei que também tinha. Comecei a usar óculos, mas confesso que fui irresponsável no início, principalmente, porque na escola algumas pessoas zombavam de mim. Isso fez meu grau aumentar muito rápido em pouco tempo”.
Igo acrescenta que, agora, sobretudo por trabalhar com o computador, usa o óculos com frequência. “Estou sempre com ele. Além disso, eu busco ir ao oftalmologista uma vez ao ano para ver se meu problema estabilizou ou aumentou”.

Para o oftalmologista, agora, a atitude de Igo é a mais correta. “É interessante que a pessoa visite anualmente o oftalmologista para controlar a miopia. Se precisar de um menor espaço de tempo, o próprio especialista vai solicitar. É aconselhável tentar procurar ambientes bem iluminados e claros para que o olho trabalhe de forma confortável e não exija muito esforço. A miopia não tem como ser evitada, mas a pessoa pode auxiliar para que o problema não se agrave de forma rápida e se estabilize”, conclui.

Natália Macedo
Belo-horizontina, 22 anos. Graduanda em jornalismo pelo Centro Universitário Estácio de Sá, fez cursos de Consultoria de Imagem e Design de Moda. Há 3 anos criou um blog voltado para o público feminino. Interessada em assuntos relacionados à minoria, gosta de dar visibilidade as pequenas causas voltadas a inclusão e empoderamento destes nichos.