Home > Colunas > Rússia está mais perto!

Rússia está mais perto!

Os quatro primeiros jogos de Tite no comando da seleção brasileira nos trouxeram um alívio imenso na tabela e, da 6ª posição, pulamos para a liderança, que é o lugar em que sempre devemos ficar. Dunga não tinha boa relação com jogadores, com a imprensa, quis implantar um comportamento militar com direito a cartilha de boas maneiras. E o pior: nunca foi e dificilmente será um bom técnico. Tite abriu as portas de casa, recuperou jogadores, é atencioso, bem informado, fala com os técnicos das equipes brasileiras e assiste aos jogos nos locais, e não pela TV.

Deu uma parada técnica antes de voltar ao túnel e voltou melhor.

Tudo isso não quer dizer que a batalha da classificação está ganha e estamos prontos para a grande guerra de 2018. Falta muito, mas o importante é saber que o time tem um sonho, não há nenhum campeão do mundo no elenco e isto sinaliza uma vontade incrível, como aconteceu, por exemplo, nos jogos olímpicos com a seleção do Micale. Muitos estão hoje com Tite, e vale como experiência e aprendizado.

Temos dez jogos disputados e faltam oito. Alguns muito difíceis, como a Argentina no Mineirão, o Uruguai em Montevidéu, o Peru em Lima, a Colômbia em Barranquilla e a Bolívia na altitude de La Paz.

Não temos ainda a seleção dos sonhos, mas começam a aparecer nomes como Gabriel Jesus, Philippe Coutinho, Casemiro, laterais de primeira linha como Daniel Alves e Marcelo e a diferença que faz o Neymar em campo.

A 18ª e última rodada vai ser disputada no final 2017 e, até lá, alguma novidade pode aparecer, o que é comum no futebol brasileiro. A próxima partida é em novembro, contra a Argentina, no Mineirão. Os hermanos vão apostar todas as fichas, ainda mais contando com Messi, pois neste momento eles estão na zona de repescagem e ameaçados pelo Paraguai e Chile. O pesadelo de Dunga passou. A Rússia ficou bem mais perto.